1

1

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Parar de fumar melhora a memória

Parar de fumar melhora a memória


Deixar de fumar é extremamente benéfico para a saúde de forma geral, mas pesquisadores ingleses descobriram uma vantagem específica do abandono do hábito – o melhor funcionamento da memória.

Pesquisadores da Universidade Northumbria, na Inglaterra, selecionaram 69 pessoas para participarem de um tour pelo campus da universidade. Dessas pessoas, 27 eram fumantes, 18 eram ex-fumantes e 24 nunca tinham fumado.

Essas pessoas tiveram que realizar tarefas em cada uma das locações onde foram levadas – 15, ao total. As tarefas envolviam funções de memória que estavam relacionadas aos locais. Na biblioteca, por exemplo, elas deveriam se lembrar de checarem se seus telefones tinham recebido mensagens. No centro esportivo deveriam perguntar sobre os custos de ser sócio.

Os resultados do experimento mostraram que os fumantes realizaram 8,9 das tarefas corretamente, sendo que os ex-fumantes realizaram 11 tarefas com sucesso e os que nunca fumaram performaram 12,1.

Existem estudos que apontam que o abandono do tabagismo melhora o funcionamento da memória retrospectiva – a habilidade de aprender novas informações e retê-las. Esse novo estudo mostra progressos na memória prospectiva- a habilidade de se lembrar de uma tarefa e realizá-la em um momento futuro.

“Nós já sabemos que parar de fumar têm benefícios enormes de saúde para o corpo, mas esse estudo também mostra como parar de fumar pode ter um efeito repercussivo na função cognitiva também”, afirma o pesquisador Tom Hefferman.

A pesquisa será publicada no periódico Drug and Alcohol Dependence.

Fonte: Live Science
Blog da Saúde

Profissões mais e menos estressantes

Profissões mais e menos estressantes


Mesmo se você tiver a sorte de ter um bom emprego, as responsabilidades extras e a incerteza sobre o futuro podem se tornar o pedágio para sua saúde e bem-estar.

De fato, 70% dos funcionários dizem que o trabalho é a principal causa do seu estresse, e quase metade (49%) atribue o estresse à preocupação com a estabilidade no emprego, segundo uma pesquisa recente da Associação Americana de Psicologia. Muitos funcionários também dizem que estão descontentes com o pouco que suas organizações fazem para ajudá-los a encontrar um equilíbrio.

Pilotos de linha aérea comercial lideram, novamente, o posto de estresse, segundo pesquisa realizada pela CareerCast. Os últimos resultados encontraram algumas profissões que enfrentam turbulências ainda maiores do que as habituais. Fotojornalistas (n°4) e âncoras (n°5) subiram as posições devido às recentes manifestações civis e protestos, principalmente, na África e no Oriente Médio.

PROFISSÕES MAIS ESTRESSANTES DE 2011

1. Piloto de linha aérea comercial
A pressão é grande para esses pilotos que não só precisam garantir a segurança dos passageiros, como também manter o cronograma, mesmo em condições meteorológicas adversas.

2. Diretor de Relações Públicas
Este campo altamente competitivo com prazos apertados mantém o estresse em altos níveis, segundo os especialistas.

3. Executivo Corporativo (Sênior)
Executivos seniores deverão ter profundo conhecimento em muitos campos diferentes de uma vez. Eles enfrentam uma pressão para fazer companhia a nível de decisões que podem ter efeitos de longo alcance para os empregados.

4. Fotojornalista
Estão muitas vezes na linha de frente de situações perigosas. Perigo no campo, prazos e falhas tecnológicas são fatores por seus empregos serem considerados estressantes.

5. Âncoras
Nestas 24 horas de ciclo de notícias, o nível de estresse pode ser intenso. É um campo altamente competitivo para passar a notícia antes dos concorrentes.
O trabalho exige um alto nível de criatividade, atenção aos detalhes e motivação, o tempo todo com prazos rigorosos. Nesta indústria predatória, a concorrência é feroz levando ao estresse emocional e mental. As horas irregulares podem ser cansativas também.

7. Arquiteto
Lidam, muitas vezes, com o estresse e a pressão de terminar o trabalho com prazos apertados.

8. Corretor de ações
Seus níveis de estresse podem fluir com os altos e baixos do mercado.

9. Técnicos de Emergência Médica
São os primeiros a responder a situações de emergência onde a assistência médica é necessária. São muitas vezes a salvação para pacientes entre o local do acidente e o hospital.

10. Corretor de imovéis
São os intermediários entre compradores e vendedores de imóveis. Trabalham longas horas irregulares, incluindo fins de semana, gastando muito do seu tempo mostrando as propriedades para os clientes. O campo é altamente competitivo, o que pode causar altos níveis de estresse.
Para viver a vida tranquilamente, o campo da saúde, por exemplo, é um ótimo lugar, acredita? Mais da metade dos 10 empregos menos estressantes do relatório Jobs Rated de 2011 é para profissionais de saúde. Boa notícia, também, desde que a área continua forte, com excelentes perspectivas de emprego.

PROFISSÕES MENOS ESTRESSANTES DE 2011

1. Audiologista
O trabalho não é normalmente estressante, mas requer uma grande atenção e concentração.

2. Nutricionista
Trabalham com uma programação padrão durante a semana, embora alguns fins de semana trabalhem também.

3. Engenheiro de Software
Com a demanda por aplicações web e o desenvolvimento da computação em nuvem, as oportunidades para engenheiros de software são abundantes.

4. Programador
A opção de trabalhar em qualquer lugar do mundo é aberta. Isso pode ser ótimo para o desenvolvimento, mas também ruim, porque significa que muitos postos de trabalho locais podem ser transferidos para outros países com salários mais baixos.

5. Dentista
Dentistas que auxiliam nos aspectos diagnósticos e terapêuticos da prática odontológica. Por causa da crescente população ea demanda por serviços odontológicos, as perspectivas de emprego para dentistas responsáveis pela higienização dos dentes são muito bons.

6. Fonoaudiólogo
A maioria dos fonoaudiólogos trabalha em escolas ou em hospitais. Com os avanços da medicina e o envelhecimento da geração X, a necessidade de fonoaudiólogos deverá aumentar assim como as oportunidades de emprego.

7. Filósofo
Muitos filósofos trabalham no campo acadêmico, em faculdades e universidades. Isso permite que desfrutem de horários flexíveis e da oportunidade de realizar pesquisas e um ambiente intelectualmente estimulante onde estão cercados por outras pessoas que gostam de filosofia. Além disso, após serem professores seus empregos se mantêm estáveis.

8. Matemático
Do meio académico para o governo, as posições para os matemáticos estão em alta demanda, mas a competição é dura para postos-chave.

9. Terapeuta Ocupacional
Terapeutas Ocupacionais ajudam a desenvolver programas individualizados de atividade para pessoas deficientes, a fim de ajudá-los a adquirir autoconfiança. Demanda por terapeutas ocupacionais é impulsionada em grande parte pela crescente população que envelhece.

10. Quiropraxistas
Quiropraxistas têm horários que podem variar dependendo das necessidades de seus clientes. A demanda por tratamento quiroprático é alta como mais pessoas tendem a trabalhar na frente do computador por longos períodos.

A pesquisa e classificação foram realizadas pela CareerCast, empresa que oferece oportunidades de emprego para americanos e canadenses.

Fonte: www.blogdasaude.com.br

Como surgiu o Greenpeace?


Como surgiu o Greenpeace?


O grupo ambientalista mais famoso do mundo completa 40 anos. Teve início em 15 de setembro de 1971, quando 12 pessoas, entre jornalistas e defensores da natureza, saíram de Vancouver, no Canadá, para as ilhas Aleutas, à oeste do Alasca. A bordo do barco de pesca Phyllis Cormack, pretendiam protestar contra os testes nucleares dos EUA na região. Com o mundo em plena Guerra do Vietnã, o protesto causou comoção. O grupo não chegou ao destino: foi preso pela guarda costeira americana em 20 de outubro e enviado de volta a Vancouver.

A viagem, porém, não foi em vão: o Greenpeace virou manchete de jornais e a fama fez com que outro teste nuclear previsto fosse adiado – ele aconteceu, mas foi o último nas ilhas Aleutas. Hoje a organização não-governamental com sede em Amsterdã, Holanda, está presente em 42 países, incluindo o Brasil.

NOME FÁCIL

O barco tinha uma bandeira com as palavras “green” e “peace”. Isoladas, não cabiam no bottom vendido para arrecadar fundos para a viagem. Por isso acabaram sendo grudadas, dando nome à ONG.

DO CONTRA

Patrick Moore, um dos fundadores do Greenpeace, hoje critica os preceitos da ONG e defende muitas coisas que ela combate, comoenergia nuclear, alimentos transgênicos e a criação de peixes em cativeiro.

A Sea Shepherd, que luta para preservar espécies marinhas colocando até bombas em barcos, foi fundada por um membro expulso do Greenpeace, Paul Watson.

Fonte: Revista Mundo Estranho - por Heloísa Noronha

Comer frutas e vegetais crus protege contra derrame...

Comer frutas e vegetais crus protege contra derrame


Mas tem que ser cru

Comer grandes quantidades de frutas e verduras cruas todos os dias pode diminuir o risco de sofrer um derrame.

Por outro lado, os pesquisadores não encontraram nenhuma evidência para sugerir que o mesmo efeito protetor ocorra quando se come frutas e legumes cozidos.

Linda Oude Griep e seus colegas da Universidade de Wageningen, na Holanda, realizaram uma pesquisa com 20.069 homens e mulheres com idades entre 20 e 65 anos.

Nenhum dos participantes tinha sofrido uma doença cardiovascular no início do período de pesquisa.

Peras e maçãs

Os hábitos alimentares habituais dos participantes foram coletados usando um questionário com informações sobre 178 tipos de alimentos.

Das frutas e legumes mais consumidos, mais da metade eram peras e maçãs.

Os participantes foram então monitorados durante dez anos.

No decorrer da pesquisa, 233 dos participantes sofreram derrame.

O risco de um acidente vascular cerebral foi 36% mais baixo para as pessoas que consumiam grandes quantidades de frutas e vegetais não transformados (mais de 262 gramas por dia) do que para as pessoas que comiam pouco destes produtos (menos de 92 gramas por dia) - uma maçã, por exemplo, pesa 120 gramas.

Mecanismo desconhecido

Não foi encontrada relação entre os derrames e a ingestão de frutas e vegetais processados ou cozidos.

Que comia grandes quantidades deste tipo de alimentos processado (233 gramas) não sofreu menos derrames que aqueles que comiam pouco vegetais processados (menos de 113 gramas por dia).

Como o estudo foi estatístico, os cientistas não sabem explicar o mecanismo que as frutas e verduras cruas exercem sobre o organismo para proteger contra o derrame - eles apenas verificaram que isso ocorre de fato.

Fonte: Diário da Saúde

Café diminui incidência de depressão entre mulheres

Café diminui incidência de depressão entre mulheres


Muito se discute se o café faz bem ou mal à saúde, mas o fato é que essa bebida tão tradicional no cardápio dos brasileiros tem se mostrado uma aliada na luta contra vários problemas. Agora, pesquisadores da Universidade de Havard, nos Estados Unidos, concluíram que o café ajuda a diminuir o risco de depressão em mulheres.

Analisando 50.739 mulheres ao longo de dez anos, o estudo mostrou que aquelas que consumiam dois ou mais copos de café por dia tinham menor risco de desenvolver depressão. Contudo, os resultados mostraram que o café descafeinado não surte o mesmo efeito.

Das participantes, 2.607 mulheres apresentaram quadros depressivos. Os resultados mostraram que o risco diminui à medida que aumentam as doses de café. As mulheres que consumiam de dois a três copos da bebida tinham probabilidade 15% menor de desenvolver esses quadros, enquanto as que consumiam de três a cinco doses tiveram um risco 20% menor. Essa porcentagem é baseada na comparação com aquelas que tomavam um copo ou menos por semana.

Apesar de o estudo ser promissor, os pesquisadores ainda não recomendam o aumento da ingestão de café como forma de prevenir a depressão, pois isso pode acarretar em riscos à saúde, já que a cafeína é estimulante, e pessoas com alteração de humor ou sono poderiam ser prejudicadas.

Fonte: Diário da Saúde

8 motivos médicos por trás da fadiga

8 motivos médicos por trás da fadiga


O cansaço sem fim muitas vezes não é provocado por excesso de trabalho ou estresse nas alturas. Em certos casos, ele pode ser sinal de alguma pane no organismo

Ela parece uma companheira chata que insiste em não se ausentar. Durante o dia, à noite, no trabalho e até mesmo logo após acordar, marca presença e teima em sugar as nossas energias. Estamos falando da fadiga, aquele cansaço interminável e persistente que dá a sensação de que qualquer atividade cotidiana exige um esforço sobre- humano para ser realizada.

O problema pode ser, sem dúvida, um reflexo da vida moderna. Afinal, passar horas no trânsito todos os dias, trabalhar demais e viver naquele estresse constante acaba levando ao esgotamento do corpo e da mente. Porém, existem outros casos em que a fadiga pode ser consequência de uma noite maldormida ou, mais grave ainda, sintoma de uma doença. "Muitas vezes, os pacientes se queixam de falta de energia. Mas trata-se de uma expressão muito vaga, capaz de indicar desde sonolência até depressão", analisa o neurologista Israel Roitman, especialista em medicina do sono do Hospital Israelita Albert Einstein, na capital paulista.

O fato é que a canseira exacerbada tem origem de fato no cérebro. Ele envia a todo momento impulsos elétricos para o corpo, e esses impulsos, ao chegarem aos músculos, sofrem reações químicas, resultando em energia mecânica — ou seja, nos movimentos. "A fadiga é fruto de um desequilíbrio, ou seja, quando não há harmonia entre esses estímulos", afirma Cláudio Pavanelli, fisiologista do Flamengo, no Rio de Janeiro.

É claro que ninguém está fadado a viver lutando para manter o pique em alta. Algumas mudanças no estilo de vida já ajudam a repor o gás total. Além disso, entender as causas do esgotamento é primordial para domá-lo, principalmente nos casos em que ele vem de enfermidades. Por isso, nada de desanimar: o importante é se mexer e recarregar as baterias.

A síndrome da fadiga crônica Quando o cansaço persiste por meses a fio e não tem causa definida, ele pode ganhar essa alcunha. Apesar de não ter sido completamente desvendada, os pesquisadores acreditam que a síndrome da fadiga crônica decorre de infecções e doenças autoimunes. Para contorná-la, exercícios físicos e hábitos alimentares saudáveis são essenciais.

Por que a pilha fica fraca?

1.Diabete
Como a principal marca da doença é a dificuldade de o açúcar entrar nas células, seja pela falta de produção de insulina, seja pela incapacidade desse hormônio de trabalhar, a glicose no sangue se eleva. "e a glicemia alta faz o indivíduo urinar mais, emagrecer e perder massa magra. Por isso, é comum diabéticos terem cansaço muscular", afirma Maria Ângela Zaccarelli, euroendocrinologista do Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo.

2. Anemia
a escassez de ferro não tem como sinal único a pele pálida. a fadiga é uma de suas características predominantes. "a anemia pode causar cansaço, sono, desânimo, queda de cabelos e até mesmo falta de ar", afirma a nutricionista Roseli Ueno, da Universidade de São Paulo. Nas mulheres, é um fenômeno mais recorrente durante a menstruação, quando a perda de sangue aumenta o déficit de ferro no organismo.

3. Apneia
o popular ronco destrói a qualidade do sono do indivíduo. ele é duas vezes mais frequente nos homens do que nas mulheres e, por se distinguir pela interrupção da passagem do ar pela garganta, provoca o ruído e despertares breves durante a noite. essa insconstância durante o repouso noturno pode ter como consequência uma leseira sem hora para acabar no dia seguinte.

4. Depressão
vigor abaixo de zero é um traço de quem padece desse problema. apesar de ser uma doença de origem psíquica, a depressão mina a disposição física. "Nela, ocorre um processo inflamatório dentro dos neurônios que atrapalha seu funcionamento. e isso acaba gerando o cansaço", afirma o psiquiatra teng Chei tung, do instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

5. Fibromialgia
essa síndrome aflora a sensibilidade para a dor. estima-se que apenas um homem a cada oito mulheres apresenta a doença, que tem raiz genética, podendo passar de mãe para filha. as dores constantes levam à debilitação. "a pessoa pode ter o sono perturbado e levantar fatigada, sem falar que a própria dor já gera indisposição", explica o reumatologista Roberto Heymann, da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

6. Doença cardíaca
Piripaques no peito também estão na lista dos motivos por trás de uma letargia. arritmia e entupimento de artérias são alguns dos precursores da canseira exacerbada. "o coração problemático não bombeia direito o sangue para todos os órgãos. Com isso, eles tendem a entrar em falência", avisa Ricardo Pavanello, supervisor de cardiologia do Hospital do Coração de São Paulo. Sinal do perigo: uma baita fadiga

7. Distúrbios da tireoide
os hormônios tireoidianos são vitais para manter o metabolismo aceso. Uma característica comum entre o hipertireoidismo, quando a tireoide trabalha demais, e o hipotireoidismo, situação em que a glândula fica lenta, é a apatia total. "o coração bate muito rápido e o indivíduo se queixa de cansaço extremo", afirma Maria Ângela Zaccarelli.

8. infecções
além da febre, outro sinal que deve ser notado nesses casos é a diminuição, por assim dizer, da vitalidade. Seja naquela gripe passageira, seja em um quadro mais severo, como a hepatite, a pessoa fica enfraquecida, em maior ou menor grau. "é que o organismo concentra suas forças na luta contra o agente infeccioso", justifica o infectologista Plínio trabasso, da Universidade estadual de Campinas, no interior paulista. daí o esgotamento do indivíduo.

6 táticas para recarregar as baterias
Hábitos e atitudes que energizam o dia a dia

1.Checkups
Se a fadiga não vai embora, o importante é procurar auxílio de um médico. ele poderá pedir exames como hemograma, teste de glicemia, dosagem hormonal e outros mais específicos, caso do eletrocardiograma e do teste de função hepática, que ajudam a identificar o que está prejudicando a disposição.

2. Hidratação
Para quem não quer se cansar, um conselho: manter o corpo abastecido de líquidos pode ser uma tática de sucesso. "Se a pessoa não se hidratar, as células vão extrair a água da circulação. o sangue se torna mais denso e a absorção da energia também vai ser dificultada", explica o fisiologista Cláudio Pavanelli.

3. Alimentar-se regularmente
Fazer refeições a cada três horas é outro segredo para afastar a fadiga ao evitar a queda brusca das taxas de açúcar no sangue. "a maioria dos indivíduos que reclamam de falta de energia não come direito", ressalta Roseli Ueno. Proteínas, carboidratos, fibras e gorduras como o ômega-3 devem estar no cardápio.

4. Exercícios físicos
exercitar o corpo melhora a captação, o transporte e a utilização do oxigênio em nosso organismo. Coração, pulmão e músculos conseguem converter mais desse gás em energia. Por isso, deixar a preguiça de lado e mexer o corpo é um excelente começo para driblar o cansaço constante.

5. Dormir bem
Pregar os olhos por pelo menos oito horas é sinônimo de disposição. o neurologista israel Roitman dá a receita do bom sono: evitar álcool, bebidas cafeinadas e refeições pesadas; ir para a cama sempre no mesmo horário; por fim, nada de ver tv, usar o computador e se exercitar até três horas antes de dormir.

6. Atividades prazerosas
atenuar o estresse é fundamental para fugir da indisposição. e nada melhor do que fazer aquilo de que se gosta para chacoalhar a rotina. "as atividades prazerosas são estimulantes para o cérebro e para o corpo. enfim, evitam que a gente enferruje", afirma o psiquiatra teng Chei tung.

Fonte: Revista Saúde - por Mariana Agunzi • design Michele Kanashiro • foto Omar Paixão

Como evitar dores na coluna

Como evitar dores na coluna


Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que 80% da população em todo o mundo terá, pelo menos, duas crises de dor na coluna durante a vida. A postura errada é um dos principais motivos para o mal, que é desencadeado pelo excesso de peso, permanência na mesma posição por muito tempo e falta de prática de exercícios.

No Brasil, as lesões de coluna ocupam a segunda maior causa de aposentadoria por invalidez, conforme pesquisa da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro),órgão ligado ao Ministério do Trabalho.

De acordo com a pesquisa, além das alterações neurológicas e biomecânicas, a dor crônica afeta psicologicamente o paciente, provocando depressão e ansiedade, sendo a principal causa de afastamento no trabalho e da vida social. Durante dois anos foram acompanhados 154 pacientes com idade entre 16 e 75 anos, a maioria mulheres, que se queixavam de dor.

O problema mais grave acontece em brasileiros com menos de 45 anos, causando incapacidade para o trabalho e exclusão social, de acordo com o coordenador da Escola de Postura da Divisão de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas de São Paulo, Carlos Alexandrino de Brito Junior. Durante dois anos, ele coordenou um grupo de pesquisa com 154 pacientes entre 16 e 75 anos, a maioria mulheres, que se queixavam de dores nas costas. Os pacientes foram submetidos a um programa de exercícios com sessões de alongamento e reaprendizagem dos limites do corpo para suportar pesos.

Segundo a pesquisa, após dois anos de trabalho, 55% dos pacientes afirmaram estar mais sociáveis e dispostos a viver em grupo e 50,9% aprenderam a controlar a dor através de exercícios. “Tal resultado mostra que o indivíduo que sofre dores crônicas na coluna melhora a sua qualidade de vida quando participa de programas de reabilitação”, explica Brito Junior.

Iniciativa

Para orientar a prevenção e a convivência com os problemas da coluna vertebral, a Clínica de Fisioterapia da Universidade Cidade de São Paulo (Unicid) oferece para a população um programa educacional e de treinamento. Os encontros acontecem durante cinco segundas-feiras seguidas, das 9h às 10h ou das 14 às 15 horas, a partir do dia 18 de agosto, na instituição. Está incluído ainda no programa uma entrevista e orientação sobre o funcionamento da coluna, com diversas atividades teóricas e práticas, incluindo exercícios terapêuticos.
As atividades são acompanhadas por uma equipe composta pela professora da Universidade, Cristina Silveira, além de alunos do programa de atualização profissional em Fisioterapia na Comunidade e do curso de graduação em Fisioterapia.

“O programa oferece aos participantes orientações para melhor lidar com as dores nas costas e superar, da melhor forma possível, as limitações do dia-a-dia. Durante cinco encontros, conscientizamos os pacientes da importância de se tomar atitudes preventivas e aplicamos exercícios terapêuticos que podem ser seguidos em casa”, explica Cristina.

Medidas Preventivas

Entre as medidas preventivas apresentadas no programa estão:

• Sente-se sempre com os pés apoiados, de modo a deixá-los inclinados e apóie as costas no encosto da cadeira.
• Procure segurar o telefone com a mão, ao invés de inclinar a cabeça e segurá-lo com o ombro.
• Para lavar ou passar roupa, coloque um banquinho ou uma lista telefônica para apoiar um dos pés.
• Para levantar da cama fique deitado de lado, dobre as pernas e impulsione o corpo com a mão, ao mesmo tempo que coloca as pernas para fora da cama.
• Colchão: não deve ser duro como tijolo e nem afundar quando se deita e o travesseiro deve ter uma altura adequada. Caso durma de barriga para cima, o travesseiro deve ser mais baixo. Se dormir de lado, escolha um da altura do ombro, que mantenha o pescoço alinhado, paralelo ao colchão.

Fonte: www.ciadosono.com.br

O que é água no joelho?

O que é água no joelho?


Na verdade, a substância que aparece no joelho é o líquido sinovial, um fluido viscoso que tem a função de lubrificar a articulação, como se fosse um óleo de dobradiça. Quando o joelho é lesionado, uma membrana chamada sinovial passa a produzir sem parar o tal líquido. Essa reação é uma forma de defesa do organismo. É que, além de lubrificar e amortizar o impacto entre as "peças" do joelho, o líquido sinovial tem células que eliminam fragmentos de tecidos machucados.

Os casos mais comuns de "água no joelho" aparecem após torções, pancadas e lesões de cartilagem ou no menisco. Conforme o problema é tratado - incluindo muito repouso e sessões de fisioterapia - o fluido vai sendo reabsorvido pelo organismo. Entretanto, se houver uma quantidade muito grande da substância, o médico pode realizar uma punção - ou seja, com uma agulha, drenar o líquido do local. Quando o acúmulo de "água no joelho" diminui, o paciente sente menos desconforto e fica mais fácil fazer o diagnóstico para tratar a lesão inicial.

Atletas (profissionais ou de fim de semana) estão entre os maiores "premiados" pelo problema. Para minimizar os riscos, é importante seguir algumas dicas: sempre alongar os músculos da perna antes das atividades físicas, manter o peso sob controle para não forçar muito o joelho e fazer musculação para deixar firmes os músculos que sustentam a articulação.

Mas não são só os esportistas as vítimas da "água no joelho". Doenças reumáticas, como as artroses, também podem resultar no problema, pois interferem na tal membrana sinovial.

Fonte: Revista Mundo Estranho - por Marina Bessa

É possível aprender dormindo, dizem cientistas


É possível aprender dormindo, dizem cientistas


Aprender dormindo

Nós podemos aprender enquanto dormimos.

Isto graças a uma nova forma inconsciente de memória, da qual os cientistas agora coletaram os primeiros sinais inequívocos.

A existência dessa forma inconsciente de memória foi comprovada por pesquisadores da Universidade do Estado de Michigan (EUA).

Os resultados são destaque no periódico científico Journal of Experimental Psychology.

Memória do sono

"Nós especulamos que podemos estar investigando uma forma separada da memória, diferente dos sistemas tradicionais de memória," disse Kimberly Fenn, coordenadora da pesquisa.

"Há evidências substanciais de que, durante o sono, o cérebro está processando informações sem o seu conhecimento, e essa habilidade pode contribuir para a memória em um estado de vigília," afirma.

No artigo, que analisou mais de 250 pessoas, Fenn e seu colega Zach Hambrick sugerem que as pessoas tiram proveito dessa capacidade de "memória do sono" de formas radicalmente diferentes.

Enquanto algumas pessoas experimentam melhoras dramáticas em sua memória depois de acordadas, outras não tiram proveito algum da memória do sono.

Ela acrescenta que a melhoria da memória foi observada na maioria das pessoas que participaram do experimento.

Reforço do aprendizado

Para os pesquisadores, esta habilidade é uma forma nova e previamente desconhecida de memória, capaz de reforçar o aprendizado sem ação consciente do indivíduo.

"Você e eu podemos ir para a cama ao mesmo tempo e ter a mesma quantidade de sono," disse Fenn, "mas, enquanto a sua memória pode aumentar substancialmente, pode não haver nenhuma mudança na minha."

Fenn acredita que a capacidade potencial dessa memória separada não é capturada por testes de inteligência e testes de aptidão tradicionais.

"Este é o primeiro passo para estudarmos se esse novo tipo potencial de memória está relacionado ou não com resultados como a aprendizagem em sala de aula", disse ela.

A pesquisadora aproveitou para reforçar a necessidade de uma boa noite de sono.

"Simplesmente melhorar o seu sono pode potencialmente melhorar seu desempenho na sala de aula", afirmou.

Fonte: Diário da Saúde

As verdades e as mentiras sobre emagrecer ...

As verdades e as mentiras sobre emagrecer


Quando você resolve fazer dieta, todo mundo tem uma ótima receita para passar. Mas, para que você não opte por uma dica errada e acabe caindo em uma cilada, preparamos essa matéria que desvenda os mitos e as verdades sobre emagrecer!

Se existe um assunto que deixa qualquer pessoa nervosa, esse assunto é dieta. Quem nunca mudou um hábito ou resolveu banir algum alimento da sua rotina só porque ouviu dizer que isso ou aquilo engordava? Ou, então, deu uma radicalizada e recorreu àquelas dietas malucas e fez um batalhão de exercícios em apenas um dia acreditando que aquilo faria o seu corpo mudar de vez?

Pois é! Para ter uma silhueta mais em forma o ser humano é capaz de tudo, não é verdade? E é exatamente por causa dessa incessante e, muitas vezes, desesperada busca pelo corpo perfeito que acabamos cometendo alguns erros absurdos e nos deixamos levar por aqueles burburinhos que ninguém sabe de onde ou de quem partiu.

O abacaxi, por exemplo, de uma hora para outra virou um grande aliado na queima das gordurinhas extras. Mas, quer saber? Essa fruta não queima calorias, ela apenas ajuda na digestão, assim como todos os outros alimentos ácidos. O único benefício para quem quer emagrecer é que o abacaxi é diurético e ajuda na eliminação dos líquidos.

Quanto àqueles atos de desespero que mais se parecem com mandingas para afinar o corpo, aí vai a verdade: Comer dois dentes de alho depois da refeição não ajuda na absorção das gorduras; água morna com limão não emagrece e, finalmente, tomar um copo de vinagre antes das refeições não impede que a pessoa ganhe as calorias dos alimentos que serão ingeridos.

Mas, também existem as boas notícias: Chupar gelo, assim como beber água bem gelada e tomar o famoso chá verde, ajuda sim a emagrecer! Como todos já sabem, a água é o principal aliado para quem quer perder aqueles quilinhos indesejáveis. Quanto àquele cochilo depois do almoço... Fique tranqüilo porque essa soneca não engorda! Aliás, repousar durante uns 20 minutos após as refeições até ajuda na absorção dos nutrientes.

E se você ainda se esconde atrás daquela velha frase “Eu sou gordo por causa da minha genética”, acabou a desculpa! Essa velha ideia de que uma pessoa que tem tendência a engordar jamais conseguirá ser magra é uma grande mentira! Com uma alimentação saudável e equilibrada e com a constante prática de exercícios físicos, todos podem ficar esbeltos. A diferença é que uns alcançarão os seus objetivos mais rapidamente do que outros.

Já em relação ao velho e conhecido azeite, apesar de ser uma ótima opção à manteiga e conter um tipo de gordura que é menos prejudicial ao nosso organismo, ele também engorda. Cada ml de azeite contém 9 calorias. Quanto às proteínas, saiba que tanto a animal, quanto a vegetal tem a mesma quantidade de calorias, 4 a cada 1 grama.

Fonte: Suadieta - UOL

Dormir cedo e acordar cedo melhora saúde de adolescentes

Dormir cedo e acordar cedo melhora saúde de adolescentes


Deus ajuda quem cedo madruga

Crianças e adolescentes que dormem mais cedo e acordam mais cedo ficam fisicamente mais ativos e mantêm melhor seu peso.

O resultado é válido mesmo quando o período de sono é o mesmo para quem dorme cedo e para quem dorme tarde.

A conclusão é de uma equipe de cientistas australianos, que publicaram seus resultados na revista Sleep.

Tempo de sono

Os pesquisadores registraram a hora de dormir de 2.200 estudantes, com idades entre 9 e 16 anos, e compararam seu peso e o uso de seu tempo livre.

Aqueles que dormiam tarde tiveram 1,5 vez mais chance de se tornarem obesos do que os que dormiam cedo e acordavam cedo.

Aqueles que dormiam mais tarde apresentaram uma propensão 2,9 vezes maior de serem fisicamente inativos, preferindo "atividades" como assistir TV e jogar videogame.

"As crianças que dormiam tarde e acordavam tarde, e aquelas que dormiam cedo e acordavam cedo, tiveram virtualmente o mesmo tempo de sono no total," explica Carol Maher, da Universidade do Sul da Austrália.

A importância das manhãs

Os cientistas atribuem os resultados ao fato de que as manhãs são mais convidativas para a atividade física do que as noites.

Àqueles que ficam acordados até mais tarde restam atividade como assistir TV, jogar videogames ou ficar em casa conversando.

"É largamente aceito que os padrões de sono dos adolescentes são fundamentalmente diferentes daqueles das crianças e adultos, e que é normal para os adolescentes ficarem acordados até mais tarde e acordarem mais tarde," comenta Maher.

"Nossas descobertas mostram que esse padrão de sono é associado com padrões desfavoráveis de atividades físicas e resultados para a saúde, e que os adolescentes que não seguem esse padrão saem-se melhor," concluiu a pesquisadora.

Fonte: Diário da Saúde

Adolescentes fisicamente ativos são mais inteligentes, sugere estudo ...


Adolescentes fisicamente ativos são mais inteligentes, sugere estudo


Um estudo da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, sugere que os adolescentes mais ativos fisicamente são mais espertos do que os sedentários. De acordo com os autores, a descoberta pode ter implicações importantes para a educação das crianças e jovens, visto que as aulas de educação física não apenas promoveriam um estilo de vida mais saudável, mas também, possivelmente, reduziriam o risco de "insucesso intelectual e acadêmico".

Avaliando dados sobre inteligência e atividades físicas colhidos durante o alistamento militar dos 1,2 milhões de homens nascidos na Suécia entre aos anos de 1950 e 1976, os pesquisadores descobriram uma forte ligação entre o condicionamento cardiovascular e a "esperteza", mas não entre a força muscular e medidas de inteligência. E os resultados mostraram que as mudanças no condicionamento físico poderiam ter um impacto positivo nos resultados cognitivos. "Indivíduos do sexo masculino com melhor condicionamento cardiovascular previsto entre os 15 e 18 anos de idade exibiram significativamente maiores escores de inteligência do que indivíduos com menor condicionamento cardiovascular", destacaram os especialistas.

De acordo com os autores, os resultados são confiáveis por causa do grande número de pessoas avaliadas e pelos métodos objetivos de medir o condicionamento físico e a função cognitiva. Outro importante mérito da pesquisa foi a comparação de gêmeos, o que permitiu, aos pesquisadores, remover "influências genéticas, sociais e familiares". Porém ainda permanece a pergunta do tipo "quem nasceu primeiro – o ovo ou a galinha": os garotos mais ativos são mais espertos, ou os garotos mais espertos é que são mais ativos?

Fonte: Proceedings of the National Academy of Sciences.
Blog de Boa Saúde

Como os spams da Internet descobrem nossos e-mails?

Como os spams da Internet descobrem nossos e-mails?


Está pronto para a verdade? Na maioria dos casos, é você quem fornece seu endereço para os spammers, pessoas que infestam a sua caixa postal com propagandas que você nunca pediu. Por exemplo: sabe quando você acredita em pop-ups - aquelas irritantes janelas que surgem na tela - oferecendo senhas gratuitas para sites pornográficos em troca do seu endereço de e-mail? Pronto! Os caras podem até mandar um código pra você ver umas minas peladas. Mas, geralmente, isso é só uma desculpa para essa gente enviar mensagens publicitárias para você, prometendo desde o ensino de idiomas até aumentar o tamanho do bilau. E haja spam: de acordo com o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança - uma entidade especializada em segurança da internet -, em agosto deste ano, um em cada quatro e-mails enviados no Brasil era spam! Mas você não é o único culpado. Os spammers ainda atacam com outras técnicas (dá uma olhada no quadro abaixo). Para que tanto esforço? Basicamente, porque o spam é uma forma barata de se fazer propaganda. E em um universo de milhões de contas, os spammers sempre conseguem atrair uma parcela de clientes. "39% das pessoas admitem que clicam em links enviados em e-mails não solicitados", diz o analista Marcel Nienhuis, especialista em pesquisas sobre a internet.

Detetives do lixo
Quatro técnicas que os spammers usam para descobrir seu endereço

VARREDURA MANUAL

Funcionários das empresas de spam navegam pela net coletando endereços exibidos em grupos de discussão ou salas de bate-papo. Depois, eles mandam propaganda para todo mundo que deu mole e deixou endereço nessas listas.

VARREDURA COM ROBÔS

Alguns spammers usam softwares que varrem telas de sites à procura do símbolo "@", essencial para um endereço de e-mail. Eles capturam os endereços, montam uma megalista e mandam spams para a galera.

TENTATIVA E ERRO

Softwares disparam e-mails "adivinhando" o usuário pela combinação de letras. Se o seu e-mail for jsilva@abc.com, o programa manda mensagens para jsilver, jsilv e jsilva, por exemplo. As duas primeiras voltam, mas a terceira chega...

COMÉRCIO ILEGAL

Combinando as três técnicas anteriores, piratas coletam endereços e os gravam em CDs. Depois, vendem o produto para empresas de spam. No centro de São Paulo, um CD pirata com 1 milhão de endereços sai por 10 reais!

Fonte: Revista Mundo Estranho - por Fernando Badô

Por que as mulheres não ficam carecas?


Por que as mulheres não ficam carecas?


Para início de conversa, mulheres também têm calvície, embora não seja tão intensa e comum como nos homens. A forma mais comum de calvície é conhecida pelos médicos como alopecia androgenética e isso diz tudo: a calvície é motivada pela herança genética e pelos hormônios andrógenos, que definem as características sexuais masculinas. Ou seja, embora mulheres também sofram de queda de cabelo, o problema é determinado por hormônios masculinos. Entenda por que: a principal reação bioquímica que gera a calvície acontece quando a enzima 5-alfa-redutásia age sobre a testosterona (o principal tipo de hormônio masculino), produzindo outro hormônio, o di-hidro-testosterona (DHT). Esse hormônio é o grande responsável pelo afinamento dos fios e conseqüente queda, mas ele não é o único responsável. Afinal se a pessoa não tiver receptores celulares sensíveis ao DHT no couro cabeludo, o hormônio não age. E o que define a sensibilidade desses receptores é a herança genética. A diferença é que mulheres produzem muito menos testosterona que homens e, portanto, mesmo que tenham predisposição genética, não têm DHT suficiente para produzir uma devastação tão grande na cabeleira - o mais comum é que o cabelo fique fininho, como o de um bebê, e não chegue a cair. Outra diferença entre os dois sexos é a posição dos bulbos capilares (de onde sai cada fio de cabelo) e, portanto, a calvície também é diferente. "No homem, a queda de cabelo começa pela região da fronte, com as famosas entradas, e no vertex (aquele ponto no topo da cabeça onde os fios se encontram). Nas mulheres, a alopecia fica mais concentrada bem no topo da cabeça", diz a dermatologista Eniude Borges, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Sexo frágil

Veja outras anomalias que predominam entre os homens

DALTONISMO
Em função do funcionamento irregular de alguns cones (as células que distingüem as cores) o daltônico não consegue ver algumas cores. A anomalia existe nos dois sexos, mas é muito mais comum entre os homens (algo como 20 daltônicos para cada daltônica), que precisam levar a deficiência em apenas um cromossomo, enquanto, nas mulheres, o defeito precisa constar em uma dupla.

HIPERTRICOSE AURICULAR
Esse distúrbio de nome esquisito se manifesta de forma ainda mais estranha: excesso de pêlos na orelha (eca!). Felizmente, essa característica é determinada por um gene que se aloja em um cromossomo que só existe nos homens - portanto nenhuma mulher sofre deste problema. Já pensou uma dama com tufos de pêlos na orelha?

HEMOFILIA
Doença caracterizada pela dificuldade em coagular o sangue, o que faz com que qualquer arranhão possa se transformar em uma hemorragia. Geneticamente é o mesmo caso do daltonismo: existe nos dois sexos, mas é bem mais comum entre os machos. Do cruzamento de uma hemofílica e um não hemofílico, por exemplo, nascem só filhos hemofílicos e nenhuma filha hemofílica.

Fonte: Revista Mundo Estranho - por Artur Louback Lopes

10 causas perigosas da insônia


10 causas perigosas da insônia


Há muitas causas possíveis para a insônia. Às vezes há uma causa principal, mas frequentemente diversos fatores que interagem junto causarão um distúrbio do sono. A insônia pode ser causada por:

1. Esforço, ou como eficazmente uma pessoa lida com todo o emocional, físico, social, econômico, ou outro fator que exige uma resposta ou uma mudança. O esforço pode ser causado pelo medo sobre um único evento, tal como fazer um discurso. Ou você pode ter esforço em curso, tal como a preocupação sobre o trabalho.

2. Depressão, ansiedade, e outras circunstâncias mentais ou emocionais. A depressão é um distúrbio caracterizado por sentimentos de tristeza, de desespero e de desânimo.

3. Hábitos ruins de sono, tais como a ver tevê na cama ou não ter uma programação regular das horas de dormir. Isto pode fazer o problema piorar.

4. Mudanças em seus hábitos do sono. Isto inclui as mudanças que acontecem onde você dorme, o ruído, a luz, ou dormindo em uma cama diferente. Igualmente inclui mudanças em seu padrão de sono, tal como retardar o sono ou trabalhar até mais tarde.

5. Dor ou problemas respiratórios, a síndrome agitada dos pés, e os muitos outros problemas de saúde.

6. Consumo de cafeína e de álcool. A cafeína geralmente interrompe o sono. Enquanto um drink ou dois antes de dormir pode ajudar uma pessoa a relaxar, mais do que isso pode retardar o sono ou fragmentá-lo algumas horas mais tarde.

7. Falta de exercício regular.

8. Problemas médicos. Estes incluem alergias, artrite, asma, doença cardíaca, a hipertensão, o hipertireoidismo, e a doença de Parkinson.

9. Melatonina diminuída. Os níveis de melatonina, o hormônio que ajuda a controlar sono, diminuem com a idade de uma pessoa. Aos 60 anos, por exemplo, o corpo produz pouca melatonina.

10. Outras desordens de sono. Estes incluem a apneia do sono e os movimentos periódicos do pé e do braço durante o sono (nos quais os músculos têm uma contração ou distensão excessiva).

Fonte: http://www.sleep-aid-center.com/10-dangerous-causes-of-insomnia/

7 atitudes para não perder a memória


7 atitudes para não perder a memória


Telefones, endereços, datas de aniversário, senhas... Somos obrigados a registrar um número cada vez maior de dados. Confira como algumas ações podem turbinar nossa capacidade de recordar os fatos

A americana Jill Price, 45 anos, não é uma pessoa comum. Assim como um super-herói, ela nasceu com uma habilidade mais do que especial: a de se lembrar de tudo que acontece na sua vida desde que tinha 14 anos. E, quando diz que se recorda de todos os fatos, ela está falando desde o que comeu durante o café da manhã, passando pelas principais manchetes do dia, até chegar às pessoas com quem conversou antes de dormir.

Quem pensa que Jill gosta desse seu poder fora do normal está redondamente enganado: ela nunca teve o direito de se esquecer das brigas e dos erros que cometeu. Depois de algum tempo convivendo com esse problema, resolveu procurar especialistas da Universidade da Califórnia, que, deparando-se com uma doença totalmente inédita, começaram a estudá-la e batizaram- na de síndrome hipertiméstica.

Esse é um lado muito raro da moeda. A outra face, essa sim bem conhecida, são as falhas na memória, ou aqueles momentos em que você simplesmente não se lembra mais de uma informação que procura em seu arquivo cerebral. E, quando a idade avança, esses brancos se tornam mais frequentes. Porém, pesquisas recentes conseguem encontrar maneiras de proteger as recordações e atrasar os famosos lapsos que acontecem vez ou outra — ou até mesmo acabar com eles. Para preveni-los, é preciso começar bem cedo: quanto antes a gente adotar esse manual, maiores são as chances de escapar desse perrengue.

Um estudo da Universidade da Califórnia, a mesma que acompanha a trajetória de Jill, constata que mais da metade dos casos de Azheimer, doença que apaga as lembranças, poderia ser evitada com atitudes simples. Além disso, deletar um desses sete fatores do dia a dia já seria capaz de diminuir em 25% o risco de desenvolver o mal dos anos grisalhos. Veja a seguir nossas recomendações.

1. Exercitar o cérebro
Um dos caminhos mais indiscutíveis para manter as recordações intactas é ler e estudar. "A memória mantém-se graças ao uso. E a leitura é uma forma de exercitá-la. Quem não tem esse hábito apresenta maior probabilidade de desenvolver problemas cognitivos no futuro", garante o neurocientista Ivan Izquierdo, diretor do Centro de Memória da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Indivíduos que passam mais tempo na escola ficam com a mente blindada. Nessa gente, o cérebro guarda mais informações e consegue lidar melhor com uma eventual perda de neurônios, o que é bastante natural com o passar do tempo. De acordo com a pesquisa da Universidade da Califórnia, 19% dos casos de Alzheimer acontecem em razão do combo pouca leitura e aprendizado escasso. "Ler massageia a memória e é um grande exercício intelectual", completa Izquierdo.

2. Malhar
O exercício tem um impacto positivo incontestável no nosso organismo. E, para nossa capacidade de recordar continuar a toda, ele é mais do que um aliado. Principalmente porque tem uma ação direta no nosso grande HD. "Fazer algum esporte aumenta o número de neurônios no hipocampo, região responsável por armazenar a memória", atesta a neurologista Sônia Brucki, do Departamento Científico de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia, em São Paulo. Andar, correr, pedalar ou nadar também contribui para diminuir riscos cardiovasculares e faz com que o praticante adote um estilo de vida mais saudável. Além disso, a atividade física catapulta os níveis de uma substância conhecida como neurotrofina. "Ela é produzida pelo sistema nervoso central e reduz a morte programada de neurônios", explica o neurologista Mauro Muszkat, coordenador do Núcleo de Atendimento de Neuropsicologia Infantil Interdisciplinar da Universidade Federal de São Paulo. Esse protetor natural também estende a longevidade das células nervosas, um ponto positivo para salvar nossos arquivos mais do que pessoais.

3. Domar o diabete
Prevenir a doença do sangue doce pode trazer benefícios que vão além de preservar a memória. É sabido que pessoas com sobrepeso correm mais risco de desenvolver o tipo 2 do mal, que gera resistência à insulina, o hormônio responsável por colocar a glicose para dentro das células. Sem ela, o corpo acaba sem energia para trabalhar e se manter ativo. Daí, com a ausência de combustível para a labuta, os neurônios ficam fracos, fracos, o que pode resultar em lembranças deletadas. Por isso a necessidade de manter a glicemia dentro dos conformes.

4. Parar de fumar
Entre outros distúrbios, o tabaco também pode afetar a forma como guardamos os fatos. Quem fuma fica mais suscetível a desenvolver problemas no sistema circulatório, como a aterosclerose. Nessa doença, as artérias sofrem uma inflamação e, com isso, placas de gordura grudam em suas paredes. Com o andar da carruagem, elas se calcificam, diminuindo o calibre dos vasos. Dessa forma, o cérebro recebe menos sangue e uma menor quantidade de oxigênio e nutrientes. O coitado, então, pena para desempenhar suas funções, como a de lembrar. "O cigarro também é produtor de neurotoxinas e radicais livres que causam danos aos neurônios", acrescenta o gerontólogo Ivan Aprahamian, pesquisador do Laboratório de Neurociências do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

5. Perder ou manter o peso
Para aqueles que estão com as medidas ideais, ficar de bem com a balança é a pedida certa. Já para as pessoas que estão exagerando à mesa, maneirar na comida também pode melhorar, em longo prazo, a sua capacidade de não esquecer. Para ajudar nesse processo, alguns pratos são indicados pelos especialistas. "Alimentos ricos em vitaminas e compostos antioxidantes são importantes para preservar a memória", garante Ivan Aprahamian. Entre as mais indicadas estão verduras, frutas e legumes. A carne de peixe, as frutas secas, o azeite de oliva e o vinho tinto também são uma boa opção. Além disso, comidas saudáveis são importantes no controle do colesterol e, claro, para o funcionamento de nosso coração. Indivíduos com quilos a mais desenvolvem resistência à leptina, uma substância que é fabricada no tecido adiposo e que tem como principal função informar ao nosso organismo se precisamos comer mais. Essa substância tem outra incumbência: proteger os neurônios e processar as lembranças no hipocampo. Se esse hormônio não trabalha direito, o esquecimento passa a ser uma palavra constante no linguajar dos sedentários.

6. Controlar a pressão
A hipertensão não só fustiga o peito: ela, mesmo que indiretamente, passa a borracha nas rememorações mais íntimas. O estrago se assemelha ao do cigarro. "As alterações vasculares diminuem o fluxo sanguíneo, o que acarreta menos oxigênio e nutrientes para as células responsáveis pela memorização", explica Sônia Brucki. Por isso, monitorar e sempre manter a pressão arterial no patamar de 12 por 8, recomendação da Sociedade Brasileira de Cardiologia, também auxilia a resguardar a massa cinzenta.

7. Fugir da depressão
A tristeza que não tem hora nem dia para chegar ao fim acelera o apagão mental. "O indivíduo deprimido começa a dar ênfase às recordações ruins", explica Ivan Izquierdo. Além disso, hormônios como serotonina e noradrelina, envolvidos na química do lembrar, deixam de atuar como deveriam. "Pode acontecer uma queda de estimuladores da memória no cérebro e, em algumas pessoas, o encolhimento do hipocampo, local onde ela se concentra", avalia Ivan Aprahamian. Também ocorre uma diminuição da neurogênese, quando surgem células nervosas zero-quilômetro. Por fim, a importância que o depressivo dá ao esquecimento pode piorar ainda mais o panorama. "Muitas vezes, há supervalorização de uma reles falha de memória", diz Sônia Brucki. E, como em um efeito cascata, isso só fomenta mais e mais lapsos.

O Google e nossas lembranças

O acesso à internet mudou a forma como armazenamos informações, segundo um estudo da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. É que a facilidade de pescar qualquer tipo de dado na rede de bits e bytes faz com que nosso cérebro se torne mais preguiçoso. Em vez de reter o nome de um artista, por exemplo, a massa cinzenta tende a memorizar o endereço do popular site de busca onde é possível fisgar essa e outros milhares de curiosidades.

Não se esqueça!

- As estimativas sugerem que o número de casos de Alzheimer triplicará nos próximos 40 anos — hoje, 33,9 milhões de pessoas no mundo têm o problema, uma das formas mais comuns de perda de memória.

- Adultos com sobrepeso tendem a desenvolver, na maturidade, problemas cognitivos com maior freqüência.

Fonte: Revista Saúde – por Manoel Gomes • design e ilustração Ana Paula Megda

Aprender com os erros melhora a inteligência

Aprender com os erros melhora a inteligência


A inteligência é permanente ou está em constante aprimoramento? Segundo pesquisadores da Universidade do Estado de Michigan, nos Estados Unidos, pessoas que acreditam que podem aprender com seus erros têm reações cerebrais diferentes daqueles que acreditam que a inteligência é fixa.

“Uma grande diferença entre as pessoas que pensam que a inteligência é maleável e aqueles que pensam que a inteligência é fixa está na forma como eles respondem aos próprios erros”, explica o Dr. Jason Moser, autor da pesquisa.

De acordo com o pesquisador, pessoas que acreditam no aprimoramento da inteligência reconhecem mais facilmente seus erros e se esforçam para aprender mais. Já os que acreditam que a inteligência é algo fixo perdem as oportunidades de aprender com os próprios erros.

Fonte: Blog de Boa Saúde – por Natália Rosana Barbosa

Por que as mulheres vivem mais?

Por que as mulheres vivem mais?


A ideia de que as mulheres são representantes do sexo frágil está cada vez mais ultrapassada. Considerando-se uma das provas essenciais de robustez, o poder para se manter vivo, as mulheres são mais resistentes do que os homens desde o nascimento até a idade mais avançada.

Em média, um homem pode correr mais rápido um percurso de 100 m do que uma mulher e levantar muito mais pesos. Entretanto, atualmente as mulheres vivem cinco a seis anos a mais do que os homens. Na idade de 85 anos existem aproximadamente seis mulheres para quatro homens. Na idade de 100 anos, a taxa é de duas mulheres para um homem.

Mas por que as mulheres vivem mais do que os homens? Uma primeira ideia seria que os homens sofrem mais estresse no trabalho. Porém, sabemos que a mulher está ocupando cada vez mais espaço no mercado de trabalho e isso significa mais responsabilidades com duplas ou triplas jornadas (casa - trabalho - filhos) e ambientes mais competitivos, com maior exposição ao estresse. Além disso, mulheres que exercem somente atividades domésticas podem ter uma carga de trabalho tão pesada quanto as que trabalham fora de casa. Mesmo assim, a expectativa de vida das mulheres não diminuiu.

As mulheres desenvolvem hábitos mais saudáveis do que os homens, preventivamente vão mais ao médico, fumam e bebem menos e seguem uma dieta com mais disciplina. Mas há um detalhe: o número de mulheres que fuma, toma uns drinques a mais e se alimenta de comidas não saudáveis está aumentando. Por isso, os pesquisadores têm afirmado que os hábitos de vida não são os únicos fatores envolvidos na longevidade feminina.

Os gerontologistas, especialistas em envelhecimento, têm observado que as fêmeas da maioria das espécies animais vivem mais do que os machos. Este fenômeno pode sugerir que a explicação está na nossa biologia.

Muitos cientistas acreditam que o processo de envelhecimento é causado pelo desenvolvimento gradual de um grande número de minúsculos defeitos individuais, como alguns danos no DNA, um desarranjo de proteínas, e assim vai.

Esse desenvolvimento degenerativo significa que a extensão das nossas vidas é regulada pelo balanço entre quão rápido novos danos atingem nossas células e quão eficientemente estas lesões são corrigidas.

Lembremos que os mecanismos para manter e reparar nossas células são maravilhosamente efetivos, mas não são perfeitos o tempo todo. Alguns danos passam despercebidos e se acumulam com os dias, meses e anos. Em outras palavras, nós envelhecemos porque nossos corpos perpetuam estes erros.

E por que nosso corpo não tenta sempre consertar os erros nas células que acontecem pelo caminho da vida, e assim poderíamos viver indefinidamente? Talvez uma das explicações seja o alto custo de energia gasta para "remendar" essas falhas. Como outras espécies, nós humanos também somos fruto da seleção natural e, ao menos na teoria, sobrevivem melhor os representantes da espécie que gastam mais energia com o crescimento e a reprodução do que com a longevidade.

Para muitos estudiosos, a mulher, devido a sua função primordial de engravidar e gerar uma nova vida, talvez tenha sido "equipada" com mecanismos mais robustos de reparação de danos das células e por uma necessidade de melhor estado de saúde. Consequentemente, isso reflete na maior longevidade da mulher quando comparada ao homem, que possui um papel menos direto na gravidez.

É possível que um dos hormônios que dificulte os processos de reparação das células seja a testosterona. Aparentemente, a testosterona que se encontra em quantidade cerca de 10 vezes menor na mulher, tenha influência negativa sobre a longevidade.

Alguns dados indicam que os eunucos (meninos castrados em muitas sociedades, no passado, para servir a imperadores sem o risco de engravidar as concubinas) apresentavam longevidade maior do que homens normais.

Em estudo realizado em uma instituição psiquiátrica no Kansas, Estados Unidos, onde homens com psicopatias eram castrados, descobriu-se que tais homens viviam em média mais 14 anos em relação aos homens não castrados. Obviamente, a castração não seria uma conduta adequada para aumentar a longevidade no homem.

Ainda estamos começando a entender e conhecer alguns elementos e fatores que podem aumentar ou diminuir a longevidade do ser humano. O fato é que as mulheres já partem na corrida da vida aparentemente mais bem preparadas fisicamente para combater os danos que nos são colocados pelo caminho. As pesquisas não param e, com certeza, em breve, vamos entender um pouco mais sobre o assunto.

No Brasil, registra-se um aumento significativo na expectativa de vida de ambos os sexos.
Estudos apontam os fatores que contribui para uma pessoa alcançar os 100 anos com bem-estar.

Fonte: Site bbel.UOL - Por Cibele Fabichak

Fumantes tendem a ter derrame dez anos antes de não fumantes


Fumantes tendem a ter derrame dez anos antes de não fumantes


Segundo estudo, AVC acomete tabagistas por volta dos 58 anos

O tabagismo é considerado um dos principais fatores de risco para acidentes vasculares cerebrais. Agora, um novo estudo apresentado no Canadian Stroke Congress revelou que fumantes tendem a ter derrame uma década antes do que não fumantes. A análise foi liderada por cientistas da University of Ottawa, no Canadá.

O acidente cardiovascular cerebral ocorre quando o fluxo sanguíneo do cérebro é interrompido, devido a um coágulo ou a ruptura de vasos. A pesquisa examinou as diferenças entre 264 adeptos do cigarro e 718 não adeptos que sofreram um AVC entre janeiro de 2009 e março de 2011. Descobriu-se, então, que a diferença média de idade em que o problema acometeu os dois grupos foi de dez anos.

Os resultados mostraram que os fumantes haviam sofrido um derrame por volta dos 58 anos, enquanto que a média de idade entre os não fumantes foi de 67 anos. Além disso, os adeptos do tabagismo estavam mais propensos a ter complicações após o problema e até de serem vítimas de derrame novamente.

Risco de problemas cardíacos é 25% maior em mulheres fumantes

Outro estudo, publicado no periódico The Lancet, revelou que mulheres adeptas do tabagismo correm mais riscos de sofrer de doenças cardíacas do que homens, mesmo fumando menos cigarros. A análise foi liderada por pesquisadores da University of Minnesota e da University in Maryland, ambas nos Estados Unidos.

Para a pesquisa, foram analisados 86 estudos anteriores envolvendo mais de quatro milhões de pessoas. Divididas em 75 grupos, essas pessoas tiveram as suas fichas avaliadas para que fosse possível identificar a probabilidade de apresentarem problemas cardíacos.

Após ajustar todos os fatores de risco para fumantes de ambos os sexos, os resultados apontaram para o fato de que mulheres fumantes apresentam riscos 25% maiores de ter doenças coronárias do que homens fumantes. Além disso, foi constatado que essa probabilidade ligada ao sexo feminino aumenta em 2% a cada ano de consumo do cigarro.

O tabagismo é uma das principais causas das doenças coronárias e, segundo os autores da pesquisa, a expectativa é de que o número de usuários continue crescendo a cada ano.

Fonte: Revista Minha Vida - UOL

Praticar exercícios é tão bom quanto tomar remédios para curar enxaqueca, destaca estudo

Praticar exercícios é tão bom quanto tomar remédios para curar enxaqueca, destaca estudo


A prática de exercícios físicos pode ser útil para quem sofre de dores de cabeça crônicas

Para curar enxaquecas, médicos costumam indicar medicamentos como topiramato, que já provou ser eficaz para aliviar dores de cabeça. Mas uma outra opção poderá ser usado pelos profissionais, pois de acordo com estudo realizado pela Universidade de Gotemburgo, exercícios físicos têm a mesma eficiência que os remédios.

A prática de atividades físicas já era indicada por alguns médicos, mas o estudo publicado na revista Cephalalgiaconfirmou a eficácia de 40 minutos de exercícios para quem sofre com as dores de cabeça.

No total os cientistas observaram 91 pacientes e os dividiram em três grupos: um que se exercitou por 40 minutos três dias por semana, outro que fez exercícios de relaxamento e outro que apenas tomou a medicação.

Por três meses os pacientes foram monitorados com relação a dores, qualidade de vida, capacidade aeróbica e níveis de atividade.

O resultado apontou que o número de pacientes que não tiveram mais dores aumentou em todos os três grupos, sem diferença do tipo de tratamento escolhido.


A conclusão do estudo é de que a prática de exercícios físicos pode ser útil para quem tem enxaqueca e não pode tomar remédios para resolver o problema.

Fonte: UOL Ciência e Saúde

Chá verde reduz a absorção de gordura pelo corpo


Chá verde reduz a absorção de gordura pelo corpo


Ficar gordo mais devagar

O chá verde reduz a absorção de gordura pelo corpo, retardando o ganho de peso.
Segundo uma equipe de cientistas da Universidade da Pensilvânia (EUA), isto transforma definitivamente o chá verde em uma ferramenta natural para a luta contra o sobrepeso e a obesidade.

Os experimentos foram feitos em modelos animais para permitir o monitoramento preciso da dieta e da liberação de gordura nas fezes, com e sem a ingestão do chá verde.

Recentemente, uma pesquisa brasileira, feita em humanos, mostrou que o chá verde ajuda na eliminação da gordura já presente no corpo.

Uso e liberação da gordura

Os cientistas alimentaram dois grupos de camundongos com uma dieta rica em gordura.
Um dos grupos que recebeu também o composto EGCG (Epigalocatequina-3-galato), encontrado no chá verde.

Os animais desse grupo apresentaram um ganho de peso 45% mais lento do que o segundo grupo, que não recebeu o composto.

Além do menor ganho de peso, os animais alimentados com o composto do chá verde apresentaram um aumento de quase 30% na liberação de lipídios fecais, mostrando que o composto EGCG limita a absorção de gordura pelo organismo.

"Parece haver dois mecanismos aqui," diz o pesquisador Joshua Lambert, responsável pelo experimento. "Primeiro, o EGCG reduz a capacidade do organismo em absorver gordura e, segundo, ele melhora o uso da gordura pelo organismo."

O chá verde não parece reduzir o apetite. Os dois grupos de animais receberam quantidades iguais de alimentos e comeram igualmente.

Sem exageros

Por outro lado, a dose de EGCG usada pelos cientistas foi extremamente elevada: uma pessoa precisaria tomar 10 copos de chá verde por dia para obter tal quantidade do composto.

Não é recomendada a ingestão de nenhuma substância em quantidades exageradas, sob o risco de intoxicação - os cientistas não estudaram essa possibilidade no experimento.

"Os dados humanos - e já há muitos sobre isso disponíveis - mostram que as pessoas que tomam chá verde ingerem apenas um ou dois copos por dia para ver os efeitos," diz o cientista.

Outra possibilidade para a redução do ganho de peso é o controle alimentar.

Fonte: Diário da Saúde

Dieta e exercício físico reduzem igualmente os riscos cardiovasculares


Dieta e exercício físico reduzem igualmente os riscos cardiovasculares


Sem efeito cumulativo

Para se proteger das doenças cardiovasculares, o que é melhor:exercício físico ou dieta?

Tanto faz. A conclusão é de um estudo feito em modelos animais nas faculdades de Medicina e Educação Física, ambas da Universidade de São Paulo (USP).

E mais: o trabalho indicou que a associação das duas abordagens não medicamentosas não resulta embenefício adicional na função cardíaca.

Ou seja, segundo o estudo, escolha a dieta ou o exercício e você ficará bem - mas não adianta fazer os dois, porque os ganhos não são cumulativos.

Obesidade crônica

A explicação dos pesquisadores para isso é que cada uma das intervenções isoladamente já é suficiente para evitar que a obesidade crônica provoque a disfunção cardíaca.

De acordo com Carlos Eduardo Negrão, do Instituto do Coração (InCor), as alterações cardíacas decorrentes da obesidade podem ser evitadas "se a restrição alimentar ou o exercício físico forem utilizados como conduta não medicamentosa para interromper o processo de obesidade crônica", disse.

Mecanismos moleculares

Além de avaliar os efeitos do treinamento físico e da restrição alimentar na função cardíaca, um dos objetivos do estudo foi tentar esclarecer o papel dessas intervenções nos mecanismos moleculares envolvidos nas alterações cardíacas causadas pela obesidade.

"O estudo acrescenta conhecimentos importantes sobre o papel do exercício e da restrição calórica nos mecanismos moleculares associados à função cardíaca na obesidade", disse Negrão.

O experimento

Na pesquisa, ratos wistar machos foram alimentados com dieta normocalórica (quantidade normal de calorias) ou hipercalórica (rica em gordura e açúcar) durante 25 semanas. Após esse período, os animais alimentados com a dieta hipercalórica foram subdivididos em quatro grupos e acompanhados por mais dez semanas.

No primeiro grupo, os ratos continuaram recebendo a dieta hipercalórica e foram mantidos sem treinamento físico. No segundo, continuaram com dieta hipercalórica e foram treinados. No terceiro, deixaram de receber essa dieta para serem submetidos à restrição alimentar (menos 20% da ingestão diária). No quarto grupo, os ratos foram submetidos ao treinamento físico e à restrição alimentar.

"Após a vigésima quinta semana, os animais submetidos à dieta hipercalórica não apresentavam alterações na função cardíaca, embora já apresentassem substancial ganho de peso", explicou Ellena.

"Após mais dez semanas de alimentação rica em gordura e mais ganho de peso corporal, eles apresentaram alteração na força de contração do coração e nas proteínas moleculares envolvidas nessa função. Isso foi evitado nos animais submetidos ao exercício físico ou à restrição alimentar", contou.

Metabolismo das gorduras

Outro resultado importante sobre o papel do exercício e da restrição alimentar alcançado no trabalho está relacionado ao metabolismo de lípides. "A restrição alimentar em associação com o exercício físico diminuiu significativamente a esteatose e a hipertrigliciridemia em animais obesos", disse Ellena.

Mas se por um lado a associação da restrição alimentar e do exercício físico não mostrou efeito cumulativo nos parâmetros cardíacos, por outro lado essas duas intervenções associadas diminuíram a quantidade de gordura estocada no fígado de animais obesos (esteatose hepática) e, também, os níveis de triglicérides plasmático.

"Embora a restrição alimentar isoladamente diminua a quantidade de gordura acumulada no fígado, ela aumentou a concentração de triglicérides plasmático, o que sugere um aumento na resistência hepática à insulina. Esses são achados importantes. Sabe-se que a esteatose, triglicérides aumentados e a resistência à insulina elevam o risco de doença cardiovascular", destacou Ellena.

Segundo a pesquisadora, o trabalho permite concluir que a restrição calórica e a prática de exercício devem ser recomendadas para a prevenção de alterações cardíacas e metabólicas causadas pela obesidade.

Fonte: Diário da Saúde - Alex Sander Alcântara