1

1

domingo, 22 de abril de 2018

Farmácia Natural...

Farmácia Natural


É possível cultivar, em casa, ervas medicinais que ajudam a aliviar sintomas e a tratar doenças, como gastrite, rinite alérgica, prisão de ventre e até hipertensão. Saiba o que plantar e como tirar proveito

As ervas medicinais foram a primeira opção terapêutica para tratar doenças em toda a história da humanidade. E o interessante é que hoje, com toda a evolução na indústria química e farmacêutica, os medicamentos fitoterápicos, extraídos das plantas, continuam em alta. Tanto que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou uma resolução, em 2010, regulamentando a produção de drogas vegetais no Brasil. Essa norma traz uma lista de 66 ervas, para as quais foram padronizadas as formas de uso, posologia, ações terapêuticas, possíveis reações adversas e contraindicações. "A fitoterapia vem ganhando cada vez mais adeptos na classe médica porque hoje os medicamentos desse tipo são produzidos com muito mais rigor e com extratos padronizados", garante José Armando Jr., professor de Fitoterapia da Faculdade de Medicina do ABC (SP).

E o melhor da história é que, para aproveitar todos os benefícios que vêm das plantas, é perfeitamente possível criar o seu próprio canteiro de ervas medicinais, em casa. O único cuidado é comprar as mudas em um local onde você tenha garantia da procedência. "Muitas ervas de espécies diferentes recebem um mesmo nome popular, como acontece com o boldo, a ervacidreira e o capim-limão. O problema é que cada planta tem uma indicação e algumas podem até ser tóxicas", alerta Dulcinéia Furtado Teixeira, tecnologista de Saúde Pública do Departamento de Produtos Naturais da Farmanguinhos/Fiocruz (RJ).

Outra orientação importante é conversar com o médico antes de fazer uso de qualquer erva, mesmo em forma de chá. "Pacientes portadores de diabetes, insuficiência renal, hipertensão, entre outras, devem informar seu médico antes de usar um fitoterápico, uma vez que ele também pode interagir com as drogas sintéticas", complementa a clínica médica e nutróloga Fátima Christina Cardoso, membro do grupo de estudos em Fitoterapia e Medicina Ortomolecular do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro.

Se usadas de forma correta, no entanto, as plantas medicinais ajudarão a tratar doenças de grande prevalência, como a gastrite, a hipertensão e o diabetes. Saiba qual é a erva que melhor atende às suas necessidades e comece a preparar o seu canteiro!

Problemas no estômago

Azia
Nome: Erva-cidreira (Lippia alba)
Parte usada: folhas
Indicação: alivia a sensação de queimação que é típica da azia, pois confere proteção extra à mucosa do estômago. Seus mecanismos de ação são desconhecidos.
Modo de preparo: coloque ½ colher (chá) de folhas de erva-cidreira fresca em
1 xícara (chá) de água fervente. Abafe por 5 a 10 minutos e coe.
Posologia: tome uma xícara do chá duas vezes ao dia.
Contraindicação: pessoas com pressão baixa devem evitar o uso.

Gastrite
Nome: Espinheira-santa (Maytenus ilicifolia)
Parte usada: folhas
Indicação: estudos realizados na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) demonstraram que a planta também é capaz de incrementar a barreira da mucosa do estômago, graças a uma substância chamada de friedenelol, presente em sua composição. A espinheira também é rica em flavonoides, o que justifica seu uso como anti-inflamatório e preventivo para a formação de úlceras. Esses flavonoides inibem a ação de determinadas enzimas, reduzindo a produção de ácidos e óxido nítrico no estômago.
Modo de preparo: coloque ½ colher (chá) de folhas de espinheira-santa em 1 xícara (chá) de água fervente. Abafe por 5 a 10 minutos e coe.
Posologia: tome uma xícara do chá três vezes ao dia.
Contraindicação: não deve ser usada por crianças menores de 10 anos, gestantes e lactentes.

Refluxo
Nome: Gengibre (Zingiber officinale)
Parte usada: caule
Indicação: rico em compostos fenólicos, como os gingeróis e os shogaois, age diretamente no trato digestivo, normalizando as contrações que causam o sintoma. Também alivia náuseas.
Modo de preparo: cozinhe por 10 minutos 1 colher (chá) de gengibre em 1 xícara (chá) de água. Abafe e coe.
Posologia: tome uma xícara de chá três vezes ao dia.
Contraindicação: quem sofre de pressão alta deve evitar o gengibre. Durante a gravidez, o ideal é tomar, no máximo, uma xícara do chá de gengibre por dia.

Controle das taxas

Diabetes
Nome: Pata-de-vaca (Bauhinia forficata)
Parte usada: folhas
Indicação: tem efeitos semelhantes à insulina, sem favorecer a hipoglicemia, graças aos flavonoides e aos polissacarídeos. Esses compostos estimulam o consumo de glicose periférica, ao mesmo tempo que inibem a reabsorção de glicose pelos rins.
Modo de preparo: coloque ½ colher (chá) de folhas em 1 xícara (chá) com água fervente. Abafe por 5 a 10 minutos e coe.
Posologia: tome uma xícara do chá duas vezes ao dia.
Contraindicação: gestantes devem evitá-lo.

Colesterol
Nome: Açafrão (Curcuma longa)
Parte usada: raiz
Indicação: o complexo fitoquímico da planta lhe confere atividade antioxidante e anti-inflamatória. Estudos indicam que ele age sobre o metabolismo lipídico, reduzindo o colesterol ruim e os triglicerídeos e favorecendo o aumento do HDL.
Modo de preparo: coloque ½ colher (chá) da raiz triturada em 1 xícara (chá) de água e ferva por 5 minutos. Abafe por 5 a 10 minutos e coe.
Posologia: tome 1 xícara do chá duas vezes ao dia.
Contraindicação: o uso não está indicado para as pessoas portadoras de cálculos ou obstrução biliar. Mulheres devem evitá-lo durante a gravidez e a lactação.

Hipertensão
Nome: Colônia (Alpinia speciosa)
Parte usada: folhas
Indicação: seu óleo essencial age diretamente sobre o músculo liso vascular, diminuindo a pressão nos vasos, o que justifica sua ação hipotensora. A erva tem efeito diurético, anti-inflamatório, analgésico e sedativo.
Modo de preparo: coloque ½ colher (chá) de folhas em 2 xícaras (chá) com água fervente. Abafe por 5 a 10 minutos e coe.
Posologia: procure tomar uma xícara do chá pelo menos três vezes ao dia.
Contraindicação: até agora não foram encontradas evidências de risco em seu uso.

Gripes e resfriados

Febre
Nome: Cebolinha (Allium fistulosum)
Parte usada: bulbo fresco
Indicação: contém diversos compostos antioxidantes, como os flavonoides e as saponinas, substâncias sulfuradas, como a alicina, além de vitaminas e sais minerais. Tem ação antimicrobiana, diurética e antitérmica, pois aumenta a sudorese.
Modo de preparo: coloque 1 colher (sopa) de cebolinha picada em 1 xícara (chá) de água e ferva por 5 minutos. Deixe esfriar e coe.
Posologia: tome uma xícara do chá três vezes ao dia.
Contraindicação: não há.

Gripes e resfriados
Nome: Alho (Allium sativum)
Parte usada: bulbo fresco
Indicação: graças à aliina de sua composição, é um poderoso antimicrobiano. Atua como medicamento natural para aliviar todos os sintomas relacionados aos quadros de gripes e resfriados, acelerando a recuperação do organismo e restabelecendo a disposição para as atividades diárias.
Modo de preparo: coloque 1 colher (sopa) de alho picado em 1 xícara (chá) de água e ferva por 5 minutos. Deixe esfriar e coe.
Posologia: tome uma xícara do chá três vezes ao dia.
Contraindicação: não deve ser usado por quem já sofre com gastrites e úlceras. Também não é indicado para lactentes, pois altera o sabor do leite e aumenta o risco de cólicas no bebê.

Tosse e rouquidão
Nome: Poejo (Mentha pulegium)
Parte usada: folhas
Indicação: o óleo essencial da planta ajuda a fluidificar as secreções do aparelho respiratório, facilitando sua expectoração. Também é rica em taninos e flavonoides, substâncias que atuam como antissépticas e antimicrobianas.
Modo de preparo: coloque 1 colher (sopa) de folhas picadas em 1 xícara (chá) de água fervente. Abafe e coe.
Posologia: tome 1 xícara do chá de duas a três vezes ao dia.
Contraindicação: não deve ser usado por grávidas, lactentes ou crianças menores de dois anos. Não use prolongadamente.

Intestino

Prisão de ventre
Nome: Sene (Cassia occidentalis)
Parte usada: folhas.
Indicação: a erva possui substâncias chamadas de glicosídeos hidroxiantracênicos, que aumentam os fluidos líquidos no intestino, favorecendo a motilidade e, portanto, ajuda a regular a atividade do órgão.
Modo de preparo: coloque 1 colher (café) de folhas de sene em 1 xícara (chá) de água fervente. Esfrie e coe.
Posologia: tome uma xícara, à noite.
Contraindicação: o uso não é indicado para lactentes ou mulheres durante o período menstrual nem para os portadores de doenças intestinais inflamatórias. O uso contínuo, por mais de uma semana, também deve ser evitado.

Gases
Nome: Alecrim (Rosmarinus officinalis)
Parte usada: folhas
Indicação: facilita o processo digestivo, o que previne o acúmulo de gases. Auxilia na eliminação das gorduras.
Modo de preparo: coloque ½ colher (chá) de folhas de alecrim em 1 xícara (chá) com água fervente. Abafe por 5 a 10 minutos e coe.
Posologia: tome 1 xícara do chá duas vezes ao dia.
Contraindicação: não é recomendado para pessoas diabéticas, com doenças de próstata e gastrenterites.

Diarreia
Nome: Capim-Limão (Cymbopogon citratus)
Parte usada: folhas
Indicação: graças ao citral, é um antiespasmódico, o que significa que ele diminui as contrações do intestino, aliviando a diarreia e melhorando as cólicas e dores abdominais.
Modo de preparo: coloque 4 xícaras (café) de folhas picadas em 1 litro de água fervente. Deixe descansar por 10 minutos e coe.
Posologia: tome 3 colheres (sopa) após cada evacuação, enquanto estiver com diarreia.
Contraindicação: não há.

Alergias

Alergia na pele (dermatite)
Nome: Guaco ((Mikania glomerata)
Parte usada: folhas.
Indicação: para o tratamento da asma alérgica. Age como broncodilatador, graças às substâncias chamadas de cumarinas, que fazem parte de sua composição. Também tem atividade expectorante, anti-inflamatória e antimicrobiana.
Modo de preparo: coloque de 4 a 6 folhas de guaco em 1 xícara (chá) de água fervente. Abafe por 5 a 10 minutos e coe.
Posologia: tome uma xícara do chá de duas a três vezes ao dia.
Contraindicação: o chá não deve ser usado por quem sofre de doenças crônicas do fígado, pressão alta ou por pessoas que fazem tratamento com anticoagulantes.

Asma
Nome: Guaco (Mikania glomerata)
Parte usada: folhas
Indicação: para o tratamento da asma alérgica. Age como broncodilatador, graças às substâncias chamadas de cumarinas, que fazem parte de sua composição. Também tem atividade expectorante, anti-inflamatória e antimicrobiana.
Modo de preparo: coloque de 4 a 6 folhas de guaco em 1 xícara (chá) de água fervente. Abafe por 5 a 10 minutos e coe.
Posologia: tome uma xícara do chá de duas a três vezes ao dia.
Contraindicação: o chá não deve ser usado por quem sofre de doenças crônicas do fígado, pressão alta ou por pessoas que fazem tratamento com anticoagulantes.

Rinite alérgica
Nome: Alcaçuz (Glycyrrhiza glabra)
Parte usada: raiz
Indicação: funciona bem no combate à rinite alérgica, já que possui compostos chamados de polissacarídeos e saponinas, conhecidos por aumentar a atividade das células do sistema imunológico. Essas substâncias também lhe conferem um potencial anti-inflamatório.
Modo de preparo: cozinhe por 5 minutos ½ colher (chá) de raiz de alcaçuz triturada em 1 xícara (chá) de água. Abafe e coe.
Posologia: tome uma xícara três vezes ao dia, após as refeições.
Contraindicação: não é indicado às pessoas com diabetes, insuficiência renal, cirrose hepática e baixa de potássio no sangue. Grávidas e lactentes também devem evitá-lo.

Consultoria: Fátima Christina cardoso, médi ca e nutróloga, membro do grupo de estudos em fitoterapia e medicina ortomolecular do conselho regional de medicina do Rio de Janeiro, Yara Lucia Oliveira de Britto, bióloga e tecnologista do instituto de pesquisas do jardim botânico do rio de janeiro, subcuradora da coleção temática de plantas medicinais.

Fonte: Revista Viva Saúde - Por Rita Trevisan e Louise Vernier / Foto Danilo Tanaka

Nenhum comentário:

Postar um comentário