1

1

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Check-up do bebê...

Check-up do bebê


Um guia para mostrar o que os primeiros exames da criança podem diagnosticar e quais doenças são capazes de prevenir. Entenda a importância desse cuidado já nos primeiros instantes de vida dela

A chegada de um filho é só alegria para toda a família. Decorar o quarto, comprar as roupinhas, pensar no chá de bebê e, principalmente, não deixar de visitar com frequência o ginecologista/obstetra. Em meio a essa excitação, as mamães de primeira viagem não podem esquecer uma série de avaliações que deverão ser feitas dentro das primeiras 48 horas de vida do pequeno, uma vez que antes disso o metabolismo da progenitora pode influenciar nos resultados.

No primeiro minuto de vida é aplicado o teste de Apgar, em que são avaliados a cor da pele, a musculatura, a frequência cardíaca, a respiração e os reflexos. Cada um desses itens possui uma nota, que vai de zero a dois, e, caso a soma delas resulte num valor menor que sete, será necessária uma repetição a cada cinco minutos até que se consiga alcançar a nota mínima.

Após isso, o check-up será iniciado. Composto por quatro exames obrigatórios, além da vacina contra hepatite B, pode ser complementado por outros testes e imunizações particulares. Doenças como hipotireoidismo, constituída por uma falha na tireoide, fenilcetonúria, hereditária e que desordena o metabolismo, e anemia falciforme, também genética e causadora de uma dificuldade no transporte de oxigênio, conseguem ser diagnosticadas. "Além delas, fazer essas avaliações é crucial para o conhecimento do tipo sanguíneo e para a prevenção de casos de fibrose cística", afirma José Claudionor Souza, pediatra do Hospital Pró-Matre (SP). Essa detecção precoce é importante, já que muitas enfermidades não costumam apresentar sintomas imediatos e, passando assim despercebidas, comprometem a saúde do neném já nos primeiros meses de vida.

A preocupação não é somente dos pais, como também do pediatra, que costuma visar um crescimento saudável para a criança desde o pré-natal. O médico precisa ser o primeiro a alertar sobre os riscos de não seguir corretamente a sequência de tais análises, além dos benefícios que elas trarão. Realizar todos os métodos, ainda na maternidade, torna mais fácil tratar e evitar o comprometimento tanto do desenvolvimento físico como mental da criança. Em algumas situações é preciso que a mãe refaça determinados exames um tempo depois, para reforçar ou tirar dúvidas pendentes. Portanto, o melhor é sair do hospital com tudo em dia e conhecendo bem seu filho.
Para não deixar nada para trás, confira alguns detalhes sobre os diagnósticos e o que eles indicam. Lembre- se de que todos os exames são gratuitos e obrigatórios em maternidades tanto da rede pública como da privada.

1 TESTE DO PEZINHO BÁSICO

Como é feito: Também conhecido como Triagem Neonatal, é obrigatório e realizado com uma amostra de sangue retirada por meio de um furinho no calcanhar do bebê ou de uma veia ao redor do local. Essa picadinha, que dói no coração das mamães, acontece nessa região graças ao fato de ela ser rica em vasos sanguíneos, o que possibilita uma coleta rápida e com um único furo. "Essa coleta é feita num papel-filtro depois de 48 horas, uma vez que o recém-nascido precisa ser alimentado antes do exame para ativar o metabolismo, pois as enfermidades que possivelmente serão detectadas são de desordens metabólicas", explica Maria Esther Ceccon, chefe da UTI neonatal do Instituto da Criança da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). A picada é quase indolor, mas não impede que os nenéns chorem, já que a sensação é desconhecida.

Quais doenças podem ser diagnosticadas: Com a triagem, pode-se localizar hipotireoidismo, cujos sinais não aparecem rapidamente e causam retardo mental e de crescimento, e fenilcetonúria, que também causa doenças mentais e só apresenta sintomas depois de 6 meses, e, mesmo não tendo cura, uma dieta evita seu desenvolvimento. O exame descobre fibrose cística, causadora de desnutrição e dificuldades pulmonares e anemia falciforme, uma alteração da hemoglobina que é capaz de gerar lesões em determinados órgãos e, embora seja incurável, pode ser diminuída com tratamentos.

O pezinho por inteiro

O teste do pezinho estendido, também feito no papel-filtro, descobre mais de 30 doenças metabólicas, como toxoplasmose e infecções congênitas. Ele é concretizado em laboratórios particulares e contempla patologias muitas vezes relacionadas a doenças enzimáticas, as quais são ainda mais importantes de se obter um diagnóstico precoce. Outras enfermidades detectadas têm relação com alimentos que não poderão ser ingeridos ou medicamentos que devem ser evitados pelo bebê. "São, portanto, casos tratáveis e que se descobertos a tempo possibilitam a modificação de sua evolução. Por isso a importância dos pais investirem nessa avaliação mais completa", alerta Ivani Mancini, pediatra do Fleury Medicina e Saúde. Essa triagem pode ser realizada até os 3 anos de idade, e o valor é, em média, R$ 430. O preço é alto, uma vez que o sangue coletado é comumente mandado para avaliação em laboratórios na Europa.

2 TIPAGEM SANGUÍNEA

Como é feito: "É realizada 48 horas depois do nascimento da criança, por meio de uma amostra de sangue retirada no teste do pezinho, diz respeito à identificação do tipo de sangue, se é A, B, AB ou O, assim como o fator Rh, que pode ser positivo ou negativo", diz o pediatra José Claudionor Souza.

Quais doenças podem ser diagnosticadas: Um dos exames obrigatórios, ele é fundamental para informar se o neném terá algum problema de incompatibilidade sanguínea com a mãe. Esse resultado também será muito importante em casos de emergências médicas.

3 TESTE DA ORELHINHA

Como é feito: A triagem auditiva verifica, com um equipamento de fone de ouvido acoplado a um computador, se o bebê escuta perfeitamente. O exame é obrigatório e deve ser feito pelo menos dois dias após o nascimento. "Caso seu resultado seja positivo, ele será refeito depois de cerca de um mês. Se persistir, a chance da presença de uma deficiência auditiva aumentará, e recomenda-se outro retorno aos 6 meses de idade", explica Maria Esther.
Quais doenças podem ser diagnosticadas: Deficiências auditivas, como o rastreamento de surdez acentuada, severa ou profunda, quando encontradas cedo, tornam mais fáceis a reabilitação e a obtenção da fala.

4 TESTE DO OLHINHO

Como é feito: Obrigatório e também chamado de reflexo vermelho, ele acontece por meio de um oftalmoscópio, aparelho que lança luz e dá origem a uma cor avermelhada e contínua nos olhos. "Logo nas primeiras 12 horas de vida o médico irá analisar através da pupila, e, para que essa demonstre estar saudável, será necessário apresentar uma coloração avermelhada e assimétrica", explica Izilda das Eiras Tamega, neonatologista e coordenadora da Liga de Pediatria da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Sorocaba).

Quais doenças podem ser diagnosticadas: Com a realização do exame o médico pode checar a existência de tumores oculares ou catarata congênita.

5 VACINA DE HEPATITE B

Como é feito: Parte do calendário de vacinação, ela é aplicada em três doses, sendo a primeira na maternidade, nas primeiras 12 horas de vida do bebê. Depois disso, a segunda dose será dada após 30 dias e a terceira, 180 dias depois da primeira. Bebês com 2 quilos ou menos precisam receber quatro doses. É normal que ocorra um pouco de dor ou febre no local da aplicação, e não há tratamento para o mal, sendo assim, o mais indicado é a vacinação logo na maternidade. A BCG tem necessidade de ser tomada rapidamente, ainda que seja paga.

Quais doenças podem ser diagnosticadas: Esta vacina, como o nome diz, previne contra a hepatite B, uma doença causada por um vírus e que pode ser transmitida de mãe para filho, durante a amamentação. "Entretanto, a mãe deve saber que cada vacina atua contra uma doença diferente e deve dar ao seu filho todas as que estão disponíveis", recomenda Isabella Ballalai, pediatra e presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações.

6 meses depois...

É recomendável que 6 meses após o nascimento seja feita uma audiometria comportamental, uma medida da reação da criança aos sons. O exame é uma avaliação especializada e indicada mesmo para quem teve resultado normal no teste da orelhinha. Consiste na resposta do recém-nascido a alguns estímulos sonoros por meio de um espectro. Isso proporcionará o rastreamento de surdez acentuada, severa ou profunda. "Ele é executado facilmente, tem duração pequena e se elaborado de maneira profissional, é de extrema confiança", enaltece Maria Esther. O teste do pezinho muitas vezes também solicita retorno. "Há chance de ocorrerem algumas alterações relativas à hemoglobinopatias e anemias familiares", argumenta Ivani Mancini. As mamães, no entanto, não precisam se preocupar, pois nem sempre refazê-los implica que existem problemas na saúde do filho, trata-se somente de um reforço que por vezes entende-se como necessário.

HORA DE VACINAR!

Veja a relação de vacinas que o bebê precisa tomar até os seis meses de idade! E lembre-se: a partir de 2011 o Sistema Público passa a vacinar todas as crianças entre seis meses e dois anos de idade.

BCG Id: Deverá ser dada ainda na maternidade, em todos os recém-nascidos com peso superior ou igual a 2 quilos.
Hepatite B: Aplicar a primeira dose (dose 0) na maternidade e, posteriormente, as outras duas doses (esquema 0-1-6 meses). Nos nenéns com menos de 33 semanas de gestação e/ou com menos de 2 quilos de peso ao nascimento, usar o esquema com quatro doses ( 0-1-2-7 meses).
Palivizumabe: Aplicar durante o período de circulação do vírus respiratório em nosso país, normalmente entre março e setembro.
Pneumocócica conjugada: Iniciar o mais precocemente possível (aos 2 meses). São três doses: aos 2, 4 e 6 meses, com reforço aos 15.
Meningocócica C conjugada: Aos 3 e 5 meses.
Influenza (gripe): Duas doses a partir dos 6 meses com intervalo de 30 dias entre elas.
Poliomielite: Utilizar somente vacina inativada (por meio injetável) em recém-nascidos internados na unidade neonatal. Rotavírus: Duas ou três doses, de acordo com o fabricante, entre os 2 e 6 meses. Nunca utilizar a vacina em ambiente hospitalar.
Tríplice bacteriana: A primeira dose deve ser dada aos 2 meses, a segunda aos 4 e, por fim, a terceira aos 6 meses de idade. É importante que aconteça o reforço aos 15 meses.
Hemófilos tipo B: Deve ser administrada aos 2, 4 e 6 meses.

CONSULTORIA: RECOMENDAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES (SBIM)

Fonte: Revista Viva Saúde - Por Fernanda Emmerick | Fotos Danilo tanaka | Ilustração Amanda Matsuda

Nenhum comentário:

Postar um comentário