1

1

Google+ Followers

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Mais Matemática

Mais Matemática
















Piadinha do Balão

Piadinha do Balão



Havia certa vez um homem navegando com seu
balão, por um lugar desconhecido. Ele estava
completamente perdido, e qual grande foi sua
surpresa quando encontrou uma pessoa...
Ao reduzir um pouco a altitude do balão, em uma
distância de 10m aproximadamente, ele gritou
para a pessoa:
- Hei, você aí­, aonde eu estou?
E então a jovem respondeu:
- Você está num balão a
10 m de altura!
Então o homem fez outra pergunta:
- Você é professora, não é?
A moça respondeu:
- Sim...puxa! Como o senhor adivinhou?
E o homem:
- É simples, Você me deu uma resposta
tecnicamente correta, mas que não me serve
para nada...
Então a professora pergunta:
- O senhor é secretário da educação, não é?
E o homem:
- Sou...Como você adivinhou???
E a Professora:
- Simples: o senhor está completamente perdido,
não sabe fazer nada e ainda quer colocar a culpa
no professor.
 
http://wata-eh-legal.blogspot.com.br/2011/01/piadinha-do-balao.html

Contos e fábulas da natureza


Contos e fábulas da natureza


O cachorro é candidato
O Prefeito ou Senador
O burro vota no gato
Por que jegue é eleitor
E se o gato se eleger
Pode ser governador

Comadre raposa agora
É candidata que vem
Pede o voto do cavalo
E de dona égua também
Raposa e política esperta
A ladra pior que tem

Compadre gato é também
Presidente do partido
Alem de chefe político
Por que é muito sabido
Enganando os bichos bestas
Já estar enriquecido

Compadre tigre também
Diz que é Veria dor
Comadre onça é assessora
E o lobo devorador
Diz que vai ser candidato
E o bode é seu eleitor

Mas o bode é pulador
E não sabe com quem fica
O tesoureiro é o lobo
Deixa todos na fubica
Mas cuidado com a raposa
Se não agora ela inrrica

Gato e raposa roubam
Cachorro é sem consciência
Lobo e rato roubam muito
Por que tem inteligência
Cada golpe de estado
Acaba com a previdência

Na missa da natureza
É lógico que acredito
O papagaio é o padre
Que faz o sermão bonito
Macaco assoveia e toca
Pro galo cantar bendito

O pardal eu admito
Que ele é o são cristão
A andorinha é a freira
O jumento é com razão
Coroinha da capela
Que o louro faz sermão

O papangu é o papa
Que fala mais de um idioma
Temos o papa larga ta
Que não é papa de Roma
No vaticano da mata
Freio graúna se a proma

O cachorro é o soldado
Raposa é réu infeliz
Macaco é advogado
E o leão é juiz
O tigre é o promotor
Corta o mal pela raiz

Já o gato acusa e diz
O roubo que o rato fez
Gato rico testemunha
Rato pobre é pro xadrez
E urubu por ser preto
Com garça nunca tem vez

Papagaio diz mais de uma vez
Por ter descriminação
Rato pobre urubu preto
E galinha faz confusão
Por que preto puta e pobre
Sempre perde na questão


Autor poeta Raimundo nonato da silva
 
http://wata-eh-legal.blogspot.com.br/2011/01/contos-e-fabulas-da-natureza.html

EM RELAÇÃO À LEITURA E ESCRITA

EM RELAÇÃO À LEITURA E ESCRITA

Leitura diária do alfabeto exposto na sala de aula;
Escrita do alfabeto;
Ordem alfabética;
Leitura diária dos nomes dos alunos da sala expostos em cartaz;
Associação das letras aos próprios nomes e dos colegas;
Leitura e escrita de listas (nomes de meninos e meninas)(crachás) (frutas) (alimentos);
Leitura pelo aluno:marchinhas,quadrinhas e curiosidades;
Ditado interativo:usos do R e do RR;
Releitura e focalização:usos do R e do RR,Q e G;
Leitura pelo aluno:listas de colegas,listas de meninos e meninas;
Escrita pelo aluno:parlenda,marchinhas ,quadrinhas e curiosidades;
Leitura pelo aluno:adivinhas,cruzadinhas com bancos de palavras,caça-palavras.

PROJETO DIDATICO(ANIMAIS DO MAR)

Golfinhos, Tartaruga Marinha, Cavalo Marinho:
Leitura pelo professor;
Produção oral com destina escrito;
Leitura em duplas;
Registro de informação;
Preenchimento de ficha técnica;
Apresentação das informações aprendidas;
Escrita de um texto;
Releitura de texto;
Revisão coletiva-linguagem;
Revisão coletiva –ortografia e separação de texto;
Revisão dos próprios textos;
Passar a limpo os próprios textos;
Ilustrações para os animais.

http://wata-eh-legal.blogspot.com.br

25 DE AGOSTO --- DIA DO SOLDADO

25 DE AGOSTO ---  DIA DO SOLDADO


DUQUE DE CAXIAS

PARA UM GRANDE EXÉRCITO
UM GRANDE PATRONO

“Sigam-me os que forem brasileiros”
é a célebre frase do Soldado Brasileiro,
Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, na guerra do Paraguai.
"Luís Alves de Lima e Silva - o Duque de Caxias é o insigne Patrono do Exército Brasileiro, que o reverencia na data de seu nascimento - 25 de agosto - "Dia do Soldado"

Caxias pacificou o Maranhão, São Paulo, Minas Gerais e o Rio Grande do Sul, províncias assoladas, no século passado, por graves rebeliões internas, pelo que recebeu o epíteto de "O Pacificador".

Comandou Exércitos em três campanhas externas: na mais difícil delas, quando em Lomas Valentinas, no ano de 1868, tomado de justo orgulho, bradou aos seus soldados: "O Deus dos Exércitos está conosco. Eia! Marchemos ao combate, que a vitória é certa, porque o General e amigo que vos guia, ainda, até hoje, não foi vencido!".
 Caxias organizou o Exército Brasileiro, fez-se político, governou províncias e o próprio Brasil, pois foi Presidente do Conselho de Ministros por três vezes.

Não apenas por tudo isso, "O Pacificador" foi o vulto mais exponencial de seu tempo, chamando-lhe os apologistas, de "O Condestável do Império".

O saudoso e venerando jornalista Barbosa Lima Sobrinho o cognomina de "O Patrono da Anistia" e o povo brasileiro, em espontânea consagração, popularizou o vocábulo "caxias", com o qual são apelidados os que cumprem, irrestritamente, os seus deveres.

Marechal do Exército, Conselheiro de Estado e da Guerra, Generalíssimo dos Exércitos da Tríplice Aliança, Barão, Conde, Marquês, Duque, Presidente de Províncias, Senador, três vezes Ministro da Guerra, três vezes Presidente do Conselho de Ministros, o "Artífice da Unidade Nacional", eis Caxias, Patrono do glorioso e invicto Exército Brasileiro!

O inesquecível sociólogo Gilberto Freyre, no reconhecimento das excelsas virtudes do Duque de Caxias, assim se expressou:
"Caxiismo não é conjunto de virtudes apenas militares, mas de virtudes cívicas, comuns a militares e civis. Os "caxias" devem ser tanto paisanos como militares.
O caxiismo deveria ser aprendido tanto nas escolas civis quanto nas militares.

É o Brasil inteiro que precisa dele"...



Quem foi Duque de Caxias?

Marechal de Exército- Luís Alves de Lima e Silva - Duque de Caxias - Patrono do Exército Brasileiro (25 de agosto 1803 - 7 de maio 1880).



Onde nasceu Duque de Caxias?

"Nasceu na Fazenda de São Paulo, Vila de Porto de Estrela, na Baixada Fluminense, Rio de Janeiro.
Em 22 nov 1808, assentou praça como cadete no 1º Regimento de Infantaria, ingressando, posteriormente, na Academia Real Militar.
Tenente, integrou o recém-criado Batalhão do Imperador, como ajudante, com ele recebendo o batismo de fogo, em 3 maio 1823, nas lutas pela independência na Bahia, quando pôde revelar excepcionais qualidades de iniciativa, comando, inteligência e bravura.

Com pouco mais de 20 anos, já era capitão e participou, ainda com o Batalhão do Imperador, da Campanha da Cisplatina.
Em 2 de dezembro 1839, já Coronel, passou a encarnar a auréola de Pacificador e Símbolo da Nacionalidade, ao ser nomeado Presidente da Província do Maranhão e Comandante-Geral das Forças em Operações, para debelar a "Balaiada", após o que recebeu o título de Barão de Caxias e a promoção a Brigadeiro. Entrou na História como "O Pacificador" e sufocou muitas rebeliões contra o Império.

Também pacificou São Paulo e Minas Gerais, em 1842, razão por que foi promovido a Marechal-de-Campo graduado.

Em fins de 1842, foi nomeado Presidente e Comandante-em-Chefe do Exército em operações no Rio Grande do Sul, para combater a Revolução Farroupilha, que já durava 8 anos, e ao término da qual foi efetivado como Marechal-de-Campo, eleito Senador pelo Rio Grande do Sul e distinguido com o título de Conde.

Em 1851, foi novamente nomeado Presidente e Comandante-em-Chefe do Exército do Sul. Desta feita, para lutar contra Oribe, no Uruguai, e, logo a seguir, contra Rosas, na Argentina.

Vitorioso mais uma vez, foi promovido a Tenente-General e elevado à dignidade de Marquês.

Em 16 junho de 1855, foi Ministro da Guerra e, em 1856, Presidente do Conselho de Ministros, ambos pela primeira vez.

Em 10 de outubro de 1866, foi nomeado Comandante-em-Chefe das Forças do Império em operações contra as tropas do ditador Lopez do Paraguai, sendo efetivado no posto de Marechal-de-Exército, assumindo, em 10 de fevereiro de 1867, o Comando-Geral das forças em operações, em substituição ao General Mitre, da Argentina.

Segue-se uma série de retumbantes vitórias, em Itororó, Avaí e Lomas Valentinas, a rendição de Angustura e a entrada em Assunção, quando considerou encerrada a gloriosa Campanha por ele comandada. "Pelos relevantes serviços prestados na Guerra do Paraguai", o Imperador lhe concedeu, em 23 março de 1869, o título de Duque - o mais alto título de nobreza concedido pelo imperador.

Caxias foi Ministro da Guerra e Presidente do Conselho de Ministros por mais duas vezes; a última de 1875 a 1878.

Faleceu na Fazenda Santa Mônica, nas proximidades do Município de Vassouras - RJ, sendo o seu corpo conduzido para o Rio e enterrado no Cemitério do Catumbi.

Hoje, os restos mortais do Patrono do Exército e os de sua esposa jazem no mausoléu defronte do Palácio Duque de Caxias, no Centro do Rio de Janeiro".

http://wata-eh-legal.blogspot.com.br

Estou postando algumas atividades de matemática.Aproveitem!!!

Estou postando algumas atividades de matemática.Aproveitem!!!







http://nomundodasatividades.blogspot.com.br/2013/02/estou-postando-algumas-atividades-de.html

Textos

Textos













http://nomundodasatividades.blogspot.com.br/2013/02/textos.html

Alfabeto da Centopéia para sala de aula...

http://nomundodasatividades.blogspot.com.br/2013/01/alfabeto-da-centopeia-para-sala-de-aula.html

Afinal, qual é o papel do gestor escolar?

Afinal, qual é o papel do gestor escolar?

O papel do gestor escolar não se resume em cumprir e fazer cumprir as leis e regulamentos ,as decisões, os prazos para desenvolvimento dos trabalhos e transmitir a seus subordinados a estratégia a ser adotada no desenvolvimento desses trabalhos.
O gestor deve ser democrático, opinar e propor medidas que visem o aprimoramento dos trabalhos escolares, o sucesso de sua instituição, além de exercer sua liderança administrativa e pedagógica, visando a valorização e desenvolvimento de todos na escola.
A liderança é uma habilidade que pode ser desenvolvida e exercida a cada dia.
O gestor escolar deve agir como  líder, pensando no progresso de todos que fazem parte de sua equipe.
Um gestor líder é capaz  de desenvolver o potencial de trabalho de toda sua equipe, fazendo com que esta sinta-se capaz de transformar e realizar com sucesso todos os projetos desenvolvidos pela instituição de ensino.
Para conduzir sua equipe o gestor competente sempre tem uma propósito a ser concretizado e uma estratégia de ação para conquistar seus objetivos. Esse é o ponto de partida para que as ações da equipe escolar sejam bem sucedidas e quando uma de suas estratégias falha, o gestor educacional incentiva sua equipe  a descobrir o que é necessário fazer para dar um passo a diante.
O gestor escolar deve ter consciência de que sua equipe não limita-se a alunos, professores e demais funcionários internos da instituição. A equipe escolar é composta também pelos pais dos alunos e por toda a comunidade de forma geral, que deve ser mobilizada para que juntos  possam promover o principal objetivo de toda equipe escolar:  a aprendizagem dos alunos.
Uma escola que viabiliza o sucesso escolar de seus alunos, tem nesse fator sua maior propaganda de marketing, pois justamente  por se sentirem satisfeitos com o sucesso escolar de seus filhos, os pais se empenharão mais em colaborar com o desenvolvimento das atividades escolares, projetos e até mesmo na divulgação  do nome da instituição de ensino.
É fundamental ao gestor a habilidade em gerenciar conflitos, pois toda instituição escolar, assim como qualquer outra instituição muitas vezes se depara com conflitos que podem ocorrer entre os membros da equipe,já que cada ser humano possui características individuais.; conflitos esses que podem ser  ocasionados por fatores externos ou internos ao ambiente de trabalho.
Por outro lado, é necessário acreditar  no potencial que cada indivíduo possui, mesmo que esse potencial ainda precise ser desenvolvido e  ouvir o que as pessoas têm a dizer  é essencial quando se pratica a liderança, pois acredito ser impossível para um líder desenvolver trabalhos e conquistar sozinho seus objetivos. O ponto de vista de cada integrante da equipe é importante para a conquista de objetivos em comum. O trabalho em equipe, as opiniões diferenciadas e o pensamento individual de cada um são fundamentais para que se construa o sucesso coletivo.

Sâni
Publicado no Recanto das Letras em 26/04/2008
Código do texto: T963581

Um bom gestor muda a escola

Um bom gestor muda a escola
Por que escolas semelhantes são, muitas vezes, tão diferentes? Vemos escolas com o mesmo orçamento, os mesmos recursos, que atendem o mesmo público, ficam no mesmo bairro, e mostram resultados bem discrepantes.

O que é essencial para ter uma escola diferenciada? Uma boa escola começa com um bom gestor. Muitos excelentes professores são maus gestores, administradores. O bom gestor é fundamental para dinamizar a escola, para buscar caminhos, para motivar todos os envolvidos no processo.

No meio de tantas escolas públicas com tantos problemas, visitei várias vezes uma escola municipal da periferia de São Paulo. A escola era simples, com um clima cordial entre os professores e funcionários. A maioria está lá há muito tempo. Qual o segredo? O diretor. Um homem dinâmico, acolhedor e que conversa com professores e alunos, atrai pessoas da comunidade para apoiar a escola. Não tem grandes recursos, tem pessoas motivadas, unidas pela amizade e o carisma do gestor. Um bom gestor muda uma escola. “Uma direção motivada, orientada por metas claras compartilhadas com professores, pais e alunos é onde tudo começa. Devido às baixas condições de trabalho, o que vemos, no Brasil, especialmente na periferia das grandes cidades, é uma alta rotatividade de diretores e de professores, além de um excesso de faltas; há diretores que não ficam mais do que um ano à frente de uma escola. Não se premia quem se esforça nem se pune quem demonstra baixo desempenho e, para completar, o envolvimento dos pais é pequeno e o currículo, desinteressante”. [1]

O exemplo de Gary Wilson, que recuperou sete escolas públicas carentes, é fundamental para enxergar os caminhos da nova gestão escolar. “Em 2000, a Lochburn Middle School, escola do distrito de Clover Park, no estado de Washington, estava para fechar as portas: o rendimento de seus 800 alunos era muito inferior ao mínimo exigido pela avaliação externa feita periodicamente pelo governo. Em um dia normal, raramente a presença dos alunos chegava a 50%. Os professores, havia muito, tinham desistido de ensinar. Hoje essa unidade é um modelo de escola bem-sucedida. O que aconteceu nesse período? A escola foi praticamente "adotada" pela comunidade: sindicatos, igrejas, estabelecimentos comerciais e entidades não governamentais começaram a participar do processo de ensino e aprendizagem entrando na sala de aula para ajudar estudantes que tinham dificuldades, assumindo a responsabilidade de orientar os jovens durante a sua trajetória escolar até a universidade. Grandes e pequenas empresas doam dinheiro e recursos materiais para que nada falte aos alunos” [2] .

O trabalho primeiro do gestor Gary Wilson é motivar professores, funcionários e alunos, valorizando-os, escutando-os e depois traçando um plano de ação focando o que é prioritário. Depois envolve as lideranças do bairro, os meios de comunicação locais e o trabalho voluntário de tutoria da comunidade. Se escolas condenadas se recuperaram, qualquer escola pode ser atuante, inovadora.

Uma escola que se articula efetivamente com os pais (associação de pais), com a comunidade, que incorpora os saberes da comunidade, que presta serviços e aprende com ela.

Uma escola que prepara os professores para um ensino focado na aprendizagem viva, criativa, experimentadora, presencial-virtual, com professores menos “falantes”, mais orientadores, ajudando a aprender fazendo; com menos aulas informativas e mais atividades de pesquisa, experimentação, projetos; com professores que desenvolvem situações instigantes, desafios, solução de problemas, jogos.

Uma escola que fomenta redes de aprendizagem, entre professores das mesmas áreas, e, principalmente, entre alunos; que aprendem com os pares. O aluno aprende com o colega, o mais experiente ajuda ao que tem mais dificuldades. Como nos projetos aluno-monitor (da Microsoft).

Uma escola com apoio de grandes bases de dados multimídia, de multi-textos de grande impacto (narrativas, jogos de grande poder de sensibilização), com acesso a muitas formas de pesquisa, de desenvolvimento de projetos.

Uma escola que privilegia a relação com os alunos, a afetividade, a motivação, a aceitação, o conhecimento das diferenças. Que envolve afetivamente os alunos, dá suporte emocional, que leva a que os alunos acreditem em si mesmos.

As organizações são compostas por pessoas. Quanto mais evoluem as pessoas, mais evoluem as organizações [3] . Educadores e gestores mais abertos, confiantes, bem resolvidos podem compreender melhor e implantar novas formas de relacionamento, de cooperação no processo de ensinar e aprender. Estão atentos para o novo, conseguem ouvir os outros e expressar-se de forma clara, não ficam ressentidos porque suas idéias não foram eventualmente aceitas. Cooperam em projetos que foram decididos democraticamente, mesmo que não coincidam com todos os seus pontos de vista.


"É difícil implantar uma mudança educacional porque as escolas têm pouquíssimo tempo para se dedicarem a inovações", justifica o sociólogo Boudewijn van Velzen, coordenador de assuntos internacionais do APS (Centro Nacional pelo Aperfeiçoamento das Escolas). [4] O sociólogo garante que decisões tomadas nos gabinetes não levam materiais didáticos até os alunos nem aumentam a freqüência em bibliotecas e laboratórios. "Se, na escola, os diretores e professores não se mexerem, nada acontecerá", afirma. "O resultado de uma grande reforma está no conjunto dos pequenos passos dados nas milhares de escolas de todo o Estado."

De acordo com o APS, cada problema da escola deve ser atacado por meio de um plano de ação, elaborado a partir das seguintes questões: Que objetivo se pretende alcançar? O que será feito? Quem irá participar de cada etapa da atividade? Como e quando elas serão realizadas? Quais os resultados previstos para cada fase do trabalho?. O plano deve ser específico, mensurável, atraente, realista e executado a tempo, ou seja, precisa ser smart (iniciais de specific, measurable, attractive, realistic e (on) time).

Vale a pena destacar, entre muitos outros, os projetos de escolas inovadoras como a Escola da Ponte de Portugal [5] , a Escola Lumiar [6] (SP) e a Escola Municipal Amorim Lima, SP [7] .

Na contramão, diante da competição feroz por novos alunos, existem alguns sistemas de ensino padronizados, de alcance nacional e internacional, que comercializam modelos de ensino prontos para milhares de escolas no país e também no exterior. Dão assessoria em marketing e gestão empresarial, além de apoio pedagógico: material didático (apostilas, cadernos de exercícios e CD-ROM, portal na Internet); capacitação a professores e coordenadores pedagógicos, além de serviços como cursos e palestras.

Para escolas pequenas é uma forma de ter um projeto pedagógico interessante e bom material de apoio. O problema surge quando há uma imposição rígida de material e de recursos. Alguns sistemas são mais flexíveis. Diante da concorrência, da dificuldade de captar alunos, é inevitável este tipo de franquias, porque oferecem projetos completos que seduzem os pais e barateiam os custos da escola. Muitos professores se queixam de falta de liberdade e de cronogramas apertados. Algumas prefeituras também estão aderindo a estes modelos padronizados. [8] Embora possamos compreender as razões mercadológicas do sucesso dos grandes grupos e franquias na educação, cada escola pode caminhar na direção da gestão autônoma, adaptada à sua região e não depender tanto de modelos criados uniformemente.

__________________________________________________________




* Trecho do meu livro A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá, da Editora Papirus. 2007.

[1] Gilberto DIMENSTEIN. Pro dia nascer feliz. Folha online, 05-02-07. In http://aprendiz.uol.com.br/content.view.action?uuid=92e250c30af47010003c9c3114278eb2

[2] Paola GENTILE. GARY WILSON- Nenhuma criança pode ser deixada para trás. Revista Nova Escola. Edição 174, agosto 2004. Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/edicoes/0174/aberto/mt_72325.shtml

[3] Ver o conceito de organizações que aprendem em Peter SENGE, A quinta disciplina; Arte, teoria e prática da organização de aprendizagem. São Paulo, Editora Best Seller, 1990

[4] Pequenos passos, grandes avanços. Revista Nova Escola, agosto 1997. Disponível em: http://novaescola.abril.uol.com.br/ed/104_ago97/html/gestao.htm

[5] http://www.eb1-ponte-n1.rcts.pt/

[6] www.lumiar.org.br

[7] A diretora da escola sem paredes, Revista Sinapse da Folha. In www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u908.shtml

[8] Antonio ARRUDA. Escola em larga escala. Folha de São Paulo. Caderno Sinapse

28/09/2004. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/sinapse/ult1063u920.shtml

SABERES DIFERENTES... TRABALHO EM EQUIPE

SABERES DIFERENTES... TRABALHO EM EQUIPE
(Marcos Fabossi)

Em um largo rio, de difícil travessia, havia um barqueiro que atravessava as pessoas de um lado para outro, e em uma dessas travessias, estavam um advogado e uma professora.
Durante a travessia, o advogado pergunta ao barqueiro:
- Meu caro barqueiro, você entende de leis?
- Não senhor, não entendo nada sobre leis – responde o barqueiro.
E o advogado, compadecido comenta:
- É uma pena. Você perdeu grande parte da sua vida!
O barqueiro pensa, reflete, mas nada responde.
A professora então, muito simpaticamente entra na conversa:
- Senhor barqueiro, o senhor sabe ler e escrever?
- Também não sei senhora – responde o remador.
- Ah, que pena – lamenta a mestra – Você perdeu grande parte da sua vida!
O barqueiro novamente pensa um pouco, sorri, mas nada responde.
Mas eis que subitamente uma onda muito forte vira o barco.
O canoeiro, então preocupado, grita e pergunta:
- Vocês sabem nadar???!!!
- Não! – ambos responderam rápida e desesperadamente.
- Que pena! – gritou o barqueiro – Vocês perderam toda uma vida!
.
“Não há saber mais ou saber menos: há saberes diferentes”. (Paulo Freire)
.
Um grupo se torna uma equipe quando…
Existe a disposição em ouvir e considerar as experiências e saberes de cada pessoa;
A complementaridade e interdependência se estabelecem;
Cada um se dispõe a fazer o seu melhor, e não apenas o suficiente;
Existe disposição de compartilhar objetivos, decisões, responsabilidades e resultados;
Todos percebem a importância de trabalharem juntos para alcançar objetivos comuns;
Se dão conta de que o fracasso de um significa o fracasso de todos, e que o sucesso de todos depende do sucesso de cada um;
Cada um decide aprimorar as relações interpessoais e valorizar a comunicação aberta e sincera entre os membros da equipe;
Cada pessoa se convence de que sozinhos podemos ir mais rápido, mas juntos podemos ir muito mais longe, e finalmente…Quando o líder entende que todo resultado é fruto do trabalho de várias mãos.
 
http://nomundodasatividades.blogspot.com.br

Texto motivacional – A ratoeira

Texto motivacional – A ratoeira
Um rato, olhando pelo buraco na parede, vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Pensou logo no tipo de comida que poderia haver ali. Ao descobrir que era uma ratoeira ficou aterrorizado. Correu ao pátio da fazenda advertindo a todos – Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa! A galinha, então, disse:
- Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo que isso seja um grande problema para o senhor, mas não me incomoda.
O rato foi até o porco e lhe disse:
- Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira!
- Desculpe-me Sr. Rato, disse o porco, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser rezar. Fique tranquilo que o senhor será lembrado nas minhas preces.
O rato dirigiu-se então à vaca. Ela lhe disse:
- O que Sr. Rato? Uma ratoeira? Por acaso estou em perigo? Acho que não!
Então o rato voltou para a casa, cabisbaixo e abatido, para encarar a ratoeira do fazendeiro.
Naquela noite ouviu-se um barulho, como o de uma ratoeira pegando sua ví­tima. A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia caído na ratoeira. No escuro, ela não viu que a ratoeira havia prendido a cauda de uma cobra venenosa. E a cobra picou a mulher… O fazendeiro a levou imediatamente ao hospital. Ela voltou com febre. Todo mundo sabe que para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja degalinha.
O fazendeiro pegou seu cutelo (pequeno facão) e foi providenciar o ingrediente principal. Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos vieram visitá-la. Para alimentá-los o fazendeiro matou o porco.
A mulher não melhorou e acabou morrendo. Muita gente veio para o funeral.
O fazendeiro então sacrificou a vaca, para alimentar todo aquele povo.
Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se que, quando há uma ratoeira na casa, toda a fazenda corre risco.
O problema de um é problema de todos quando convivemos em equipe.”
 
http://nomundodasatividades.blogspot.com.br

Trabalhando Regras de Convivência -Livro:Desculpe-me...

Trabalhando Regras de Convivência -Livro:Desculpe-me...


Olá amigas(os)
que por aqui passam...
A pedidos de algumas amigas
que precisavam de uma história
para trabalhar o tema:
Regras de convivência...
Estou postando este livrinho
"Desculpe-me".
Espero que seja útil!















 
http://nomundodasatividades.blogspot.com.br/2013/01/trabalhando-regras-de-convivencia.html