1

1

Google+ Followers

domingo, 20 de maio de 2018

10 dicas para quem sofre de diabete...

10 dicas para quem sofre de diabete

Elas ajudam a controlar e até mesmo a prevenir a doença
Idade, histórico familiar e estresse são fatores de risco para o desenvolvimento da diabete. Além disso, a alimentação influencia (e muito!) no controle desta doença. Para conscientizar e incentivar mudanças nos hábitos alimentares em crianças, jovens, adultos, e idosos de todo o Brasil, o programa “Meu Prato Saudável” do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e do Incor indica medidas simples para colocar na sua rotina e que garantem o bom funcionamento do metabolismo, da digestão, absorção correta de nutrientes, evitando oscilações da glicose sanguínea causadas pelo jejum prolongado.

Além de serem recomendações para quem sofre com a diabete, as dicas ajudam a prevenir contra doenças relacionadas à má alimentação, como hipertensão e doenças cardiovasculares.

1) No café da manhã
Ao começar o dia, consuma uma porção de carboidrato rico em fibras (pães, biscoitos ou cereais, sempre integrais), uma de proteína magra (queijos magros, leite desnatado ou iogurte) e uma fruta;

2) No almoço e jantar
Acerte na medida: metade do prato deve ser ocupado com vegetais crus e cozidos. No restante, podem entrar meia porção decarboidrato integral (arroz, macarrão, panquecas, batatas, mandiocas) mais meia porção com proteína animal (carne vermelha magra, frango sem pele, ovo, peixe) e vegetal (feijão, lentilha, ervilha, soja);

3) Controle a quantidade e a qualidade do carboidrato
Não é necessário excluí-lo da dieta. Dê preferência para o que é rico em fibras, como cereais integrais, tubérculos, vegetais e frutas (com casca ou bagaço). Isso porque as fibras ajudam no bom funcionamento intestinal, atuam na prevenção de doenças e influenciam na absorção de gorduras e açúcares simples;

4) Produtos light e diet com moderação
Apesar de serem indicados para indivíduos com diabete, eles podem ser ricos em gordura ou outro nutriente. Por isso, ante de consumí-los, leia sempre o rótulo para verificar se atendem às suas necessidades;

6) Cuidado com adoçantes
A Sociedade Brasileira de Diabetes recomenda no máximo 10 gotas por copo. Porém, é importante ter orientação de um profissional para checar se não está consumindo demais;

7) Evite bebidas alcoólicas
Se de vez em quando ingerí-las, não ultrapasse as quantidades: uma dose para mulher e duas para homens. A recomendação vale para bebidas destiladas e fermentadas. Outro cuidado: não as consuma com o estômago vazio ou estado de desidratação. Evite bebidas açucaradas ou que contenham leite condensado;

8) Beba água
Não adianta ter preguiça ou se esquecer: consuma dois litros de água ao longo do dia;

9) Pratique exercícios físicos
O ideal é reservar 150 minutos da sua semana para fazer alguma atividade física. Que tal parar 30 minutinhos durante cinco dias?

Fonte: http://revistashape.uol.com.br/saude-e-bem-estar/2112/materia/dicas-quem-sofre-diabete - Por Fernanda Iarossi

Cada hora sentado reduz expectativa de vida em 21 minutos

Cada hora sentado reduz expectativa de vida em 21 minutos

Pesquisa afirma que redução é 10 minutos maior do que a de fumar um cigarro
Cada hora que uma pessoa passa sentada reduz a sua expectativa de vida em 21 minutos, diz uma pesquisa desenvolvida pela Universidade de Queensland, na Austrália. Segundo o estudo, essa redução é dez minutos maior do que a de fumar um cigarro. Os resultados foram publicados na edição de Novembro do The British Journal of Sports Medicine.

Os cientistas levantaram dados de 12 mil australianos, coletados por um levantamento nacional sobre diabetes, obesidade e estilo de vida. Os entrevistados responderam perguntas sobre o seu estado de saúde, doenças que já tiveram, sedentarismo, tabagismo e hábitos alimentares. Para medir as horas que os participantes passavam sentados, os estudiosos perguntaram quantas horas de televisão eles assistiam por dia.

Os pesquisadores tentaram isolar o fator de risco da longa permanência na mesma posição de outros hábitos pouco saudáveis, como fumar e não se exercitar. Eles observaram que um adulto que passa seis horas por dia sentado em frente à TV deve viver quase cinco anos a menos que uma pessoa que não assiste televisão. A previsão se aplica mesmo em aqueles que fazem exercícios regularmente.

Uma das possíveis explicações para essa relação é a ausência prolongada de contrações dos músculos das pernas. Depois de ficar meia hora sentado, o corpo liga o "modo repouso" e a taxa metabólica cai. Ficar de pé evita essa queda, pois o músculo permanece rígido, o que consome mais energia. Além disso, a pessoa em pé tende a se movimentar involuntariamente.

Ginástica laboral - exercícios
Mexa o corpo sem passar uma hora na esteira
Nosso corpo não foi feito para ficar parado, e sim em movimento frequente. Pesquisas científicas comprovaram que a queima calórica não associada ao exercício físico, mas ao movimento do dia a dia, também traz os mesmos benefícios à saúde. "Mesmo quem faz atividade física não pode se dar ao luxo de passar o resto do dia sentado, pois sofrerá os mesmos malefícios de um sedentário", alerta o endocrinologista e clínico geral Filippo Pedrinola. Opções para se movimentar não faltam. Veja o que o Filippo Pedrinola recomenda:

Use as escadas em vez do elevador
É uma reação automática: ao entrar em um prédio, a primeira coisa que fazemos é apertar o botão do elevador - seja para subir até o primeiro ou até o vigésimo andar. No entanto, essa é uma ótima oportunidade para se exercitar usando as escadas. Para aqueles que trabalham ou moram em andares muito altos, desça dois ou três andares antes do que deveria e faça o resto do trajeto pelas escadas.

Saia para almoçar ou fazer compras a pé
Tem gente que não consegue nem mesmo ir até a padaria sem pegar o carro, por costume ou preguiça. Porém, não custa nada deixar o veículo na garagem e ir a pé até o mercado comprar os itens fáceis de carregar - além de fazer bem à sua saúde, você evita o estresse do trânsito e ainda tira um carro da rua. Outro hábito comum é acionar um delivery e pedir para entregar a refeição no trabalho, quando poderia ter ido até o restaurante caminhando.

Estacione o carro longe do local de trabalho
Aqui a lógica é a mesma das escadas: você já fez todo o trajeto de carro porque era longe, então que tal estacionar um pouco mais distante do seu destino e aproveitar a caminhada? Para aqueles que andam de ônibus, a recomendação é a mesma - experimente descer um ou dois pontos antes do habitual e faça o restante do trajeto andando.

Alongue-se de tempos em tempos
Nada pior do que ficar muito tempo sentado em uma posição pouco confortável. Por isso, sempre que você se levantar para conversar com alguém, ir ao banheiro ou tomar um café, alongue pernas, braços e pescoço. Exercícios de respiração profunda também são amplamente recomendados.

Use um pedômetro (contador de passos)
Esse aparelho, capaz de registrar cada passo que você dá, pode ficar acoplado ao seu cinto e irá te ajudar a monitorar o quanto você está se movimentando durante o dia. De acordo com o endocrinologista e clínico geral Filippo Pedrinola, dar menos do que 5.000 passos por dia é considerado sedentarismo. "O ideal seria dar 10.000 passos por dia, que equivale aproximadamente a 6 km, ou de 300 a 400 calorias", completa.

Fonte: http://www.minhavida.com.br/saude/materias/15764-cada-hora-sentado-reduz-expectativa-de-vida-em-21-minutos?utm_source=news_mv&utm_medium=ciclos&utm_campaign=Sedentarismo

10 fatos curiosos sobre animais que você provavelmente ainda não sabe ...

10 fatos curiosos sobre animais que você provavelmente ainda não sabe

Há coisas sobre os animais que todos sabem, como o fato de que chitas são rápidas, algumas cobras não são venenosas, golfinhos são espertos… Mas também existem curiosidades sobre eles menos óbvias. Confira 10 fatos aleatórios sobre a natureza que você provavelmente ainda não ouviu falar:
1 – INSETOS TÊM SANGUE “ALIENÍGENA”

Na verdade, não é nem sangue, mas algo chamado hemolinfa. Já faz 500 a 600 milhões de anos que os seres humanos e os insetos compartilharam um ancestral em comum, por isso não é nenhuma surpresa que haja algumas diferenças entre os dois organismos.
Hemolinfa é à base de cobre, em vez do ferro que corre nas nossas veias, o que lhe dá uma coloração azul ou esverdeada quando é oxigenada. Ela não é usada para transportar oxigênio, no entanto, já que a respiração através da pele é suficiente para as necessidades oxigenais dos insetos.
Isso significa que eles têm um sistema circulatório muito mais relaxado. Seus corações batem com muito menos frequência do que o nosso, e podem até mesmo entrar em um estado de repouso para economizar energia. Muitos também têm uma proteína em sua hemolinfa que impede a formação de cristais de gelo.

2 – TOUPEIRAS TÊM PELES EXTREMAMENTE MOLES

Acariciar uma toupeira é algo bem fácil. Cada fio individual do seu corpo é incorporado a um saco de fluido, o que permite que se fixem em qualquer direção de encontro à pele, sem nenhum desconforto ou resistência.
Essa é uma adaptação muito prática. Como elas vivem em túneis que não são maiores do que o seu próprio corpo, fica muito mais fácil navegar com uma pele maleável. Sua suavidade é conhecida por fazer casacos encantadores. Esse fato, aliado ao seu status de praga na sociedade humana, deixou muitas espécies de toupeira ameaçadas de extinção.

3 – PÁSSAROS MORRERIAM NO ESPAÇO

Já levamos animais ao espaço, inclusive cachorros. Nunca pássaros, no entanto. A razão para isso é que eles não sobreviveriam por lá, já que a maioria não consegue engolir. Geralmente, as aves dependem da gravidade para levar comida e bebida ao estômago. É por isso que elas mergulham os bicos na água e, em seguida, levantam a cabeça para deixá-la escorrer.
Pássaros no espaço provavelmente morreriam de desidratação, ou afogariam tentando beber. Já tentaram colocar pombos em um avião que voa em longos arcos parabólicos para simular gravidade zero por curtos períodos de tempo, e eles realmente não se deram muito bem.

4 – MARIPOSAS TÊM ARSENAL ANTIMORCEGO

O morcego é um dos caçadores mais fascinantes e bem documentados do reino animal. Ser um inseto voador noturno, portanto, parece equivaler a uma sentença de morte.
Mas não é bem assim. O grande problema com a ecolocalização (tática para se localizar ou localizar presas usada pelos morcegos) é que o alvo sabe que você está vindo atrás dele assim que você a usa. Muitas espécies de mariposas aproveitam esse fato a ponto de medir a distância de seu atacante e reagir com mais urgência.
Uma das táticas usadas pelos insetos é chamada de “cessação de voo”, também conhecida simplesmente como queda. Outros empregam contramedidas. No momento do ataque, os insetos fazem uma série de sons de cliques, confundindo o morcego, fazendo-o errar o alvo 4 de 5 vezes.

5 – AXOLOTLS NUNCA CRESCEM

Esse animal é parente da salamandra e cresce até cerca de 30 centímetros. É completamente aquático, vegetariano e vive de 10 a 15 anos. Enquanto seu primo, a salamandra tigre, se parece muito com ele durante sua fase larval, o axolotl nunca cresce e se transforma em uma salamandra de pleno direito.
O que é realmente fascinante, porém, é que ele não pode fazer isso. Se utilizarmos iodo para estimular sua tireoide, coisa que ele não pode fazer sozinho por não ter os hormônios necessários, o axolotl pode ser forçado a passar por uma transformação que abandonaria normalmente em algum lugar ao longo do caminho.
Infelizmente, o único habitat nativo do axolotl é nas águas ao redor da Cidade do México. Poluição, espécies invasoras de peixes e o fato de que eles são aparentemente deliciosos reduziram seus números para níveis criticamente baixos. Existem mais espécimes em aquários domésticos do que no habitat selvagem.

6 – CORUJAS NÃO SÃO TÃO ESPERTAS

É difícil olhar para o rosto de uma coruja e não pensar que ela sabe algo que você não sabe. Isso é verdade, mas essa coisa é como matar e comer roedores com grande eficiência, apenas.
Os olhos de uma coruja são muito grandes, mas seu crânio nem tanto. Isto deixa muito pouco espaço para um cérebro que, embora capaz de processar grandes quantidades de dados visuais, não tem poder para pensamento muito crítico.
É incrivelmente difícil treinar corujas para fazer as tarefas mais rudimentares. Gary Gero, um treinador de coruja que trabalhou nos filmes de Harry Potter, disse que não sabe de onde a ideia de que corujas são sábias veio, mas certamente não foi um treinador de coruja que inventou isso.

7 – CAULERPA TAXIFOLIA PODE TOMAR O MEIO MARINHO

Muitos tanques de peixes vêm com Caulerpa taxifolia, uma espécie saudável e vibrante de algas que produz uma toxina que a torna intragável para quase toda a vida aquática. Isso é ótimo para certas espécies de peixes que gostam de destruí-la, mas ruim para quase todo o resto.
Então, o que acontece quando uma planta de crescimento rápido e venenosa entra em um ecossistema onde ela não pertence? Vira uma alga assassina e figura na lista das piores espécies invasoras do mundo.
Como ela chegou ao mar Mediterrâneo é uma questão muito debatida. De qualquer maneira, só levou uma década para que cobrisse cerca de 30 quilômetros quadrados no início dos anos 90. Algumas pesquisas implicam que a sua introdução pode até ser globalmente positiva, mas a verdade é que muitas espécies nativas simplesmente não podem coexistir com ela.
A parte mais triste é que a invasão foi descoberta cedo, mas o debate sobre quem era o culpado por ela impediu que a situação fosse resolvida, e agora pode ser tarde demais para fazer qualquer coisa além de acompanhar seus efeitos.

8 – JACU-CIGANOS TÊM MÃOS

Jacu-cigano ou cigana é uma ave que tem gosto horrível e cheiro ainda pior, vantagens muito úteis para elas serem deixadas quietas no seu canto. Existem alguns tipos de aves que têm espécies de esporas ou garras em suas asas, mas na cigana, elas realmente têm um propósito.
Os pintinhos da espécie são escaladores ativos, utilizando seu par de garras em cada asa para maior aderência conforme escalam árvores. Se caírem, não tem problema, pois sabem nadar muito bem também. Na verdade, a única coisa em que não são tão bons é voar. Um recém-nascido tem que esperar meses antes de estar suficientemente desenvolvido para voar, e os adultos são notoriamente desajeitados.

9 – ARANHAS SALTADORAS TÊM BOA NOÇÃO DE PROFUNDIDADE

Só porque têm oito olhos, não significa que as aranhas têm boa visão. Claro que isso não é um problema para a maioria das aranhas, uma vez que caçam através de armadilhas, esperando por uma presa inocente, mas no caso de caçadores mais nômades, como a aranha saltadora, o assunto é outro.
Somente nos últimos anos os pesquisadores começaram a entender como os olhos da aranha saltadora realmente funcionam. Os dois olhos primários são incrivelmente complexos. Eles são capazes de atingir alguma forma de visão binocular, com retinas compostas de camadas separadas de células sensíveis à luz.
Uma imagem que está em foco em uma camada está fora de foco na camada logo acima dela, por isso, comparando a imagem nítida à embaçada, a aranha é capaz de julgar com bastante precisão sua distância. Ela faz isso tão bem que uma empresa japonesa está tentando aplicar o conceito a uma câmera potencialmente capaz de filmar em 3D com uma única lente.

10 – SIFONÓFOROS SÃO UM E MUITOS AO MESMO TEMPO

Esse “animal” estranho levanta questões filosóficas importantes sobre o que torna um organismo individual.
Os sifonóforos, ou Siphonophora, constituem uma ordem de hidrozoários, uma classe de invertebrados marinhos do filo Cnidaria. Apesar de terem, à primeira vista, a aparência de águas-vivas, são, de fato, colônias de vários membros – os zooides – que podem ser polipoides ou medusoides, morfológica e funcionalmente especializados.
Uma das espécies mais conhecidas é a caravela-portuguesa ou garrafa-azul, muitas vezes incorretamente classificada como uma água-viva.
Cada um dos zooides é singular dentro da colônia, especializados para determinadas tarefas. Estes zooides são capazes de
realizar suas funções por conta própria para o benefício do coletivo, mas devem contar com os outros tipos de zooides para desempenhar as funções que eles não podem. Apesar de todas as coisas que separam cada zooide do resto da colônia, o sifonóforo todo ainda cresce a partir de um único ovo.
Então, eles são uma criatura ou muitos? Aqui é onde fica complicado. Olhe longe o suficiente e certamente ele parece e se comporta como um único animal, mas quanto mais perto você o examina, mais diferenciadas as peças se tornam.
Como eles pairam diretamente sobre a linha entre colônia e um complexo organismo multicelular, podem conter pistas muito importantes sobre como a evolução superou essa ponte.[Listverse]

Fonte: http://hypescience.com/10-fatos-curiosos-sobre-animais-que-voce-provavelmente-ainda-nao-sabe/ - Natasha Romanzoti em

10 animais estranhos do Brasil ...

10 animais estranhos do Brasil

Nosso país é mesmo um país de diversidade, não só no que diz respeito a diferentes etnias humanas, mas também de animais dos mais variados (e estranhos) possíveis.
Confira alguns deles:

10 – PREGUIÇA
A preguiça não é tão estranha no sentido de estarmos acostumados à sua existência, mas, certamente, se repararmos direito nela, é um bicho bastante bizarro.

Aparência esquisita, movimentos lentos e sem energia são suas principais características. Vivendo “de boa” pendurada nas copas das árvores copa do Brasil, Nicarágua e Peru, a preguiça tem dedos com garras curvas gigantes que parecem ganchos. O animal pode usá-las para se defender, mas por ser tão pacato, geralmente só as usa para ficar parecendo uma rede em um galho de árvore.
O cultivo de algas em sua pele (o revestimento exterior de sua pele tem grandes sulcos que recolhem e crescem algas) lhe dá uma cor verde que funciona como camuflagem. Então, o que às vezes pode parecer um amontoado de folhas gigante pendurado em um galho é na verdade uma preguiça.
Frutos, folhas secas e galhos compõem a dieta de uma preguiça. Elas fazem tudo de cabeça para baixo, incluindo comer e acasalar. As fêmeas tendem a ficar juntas, enquanto os machos são solitários e só aparecem para acasalar.
Se tiver que caminhar sobre a terra, a preguiça vai usar suas garras (se andasse ereta, pareceria o Pé Grande). Ela tem que rastejar a barriga e usar as garras para se impulsionar. Não admira que prefira se pendurar nas árvores (só desce cerca de uma vez por semana para urinar e defecar).

No entanto, a preguiça pode nadar muito bem. Também pode virar a cabeça em 270 graus e mantê-la quase em linha reta virada para cima enquanto seu corpo está pendurado de cabeça para baixo.

9 – CAPIVARA
Em que outro país haveria um animal que mais parece um rato gigantesco em cada zoológico? A capivara é uma visão conhecida em diversas cidades brasileiras. Não deixa de ser um roedor muito estranho, no entanto – e também o maior deles.
A capivara pode ser encontrada em diversas regiões da América do Sul e Central. Ela costuma viver em regiões às margens de rios e lagos. Utiliza a água como refúgio dos predadores, pois consegue ficar submersa por alguns minutos e possui uma grande agilidade para nadar.
Uma fêmea costuma gerar de 2 a 8 filhotes por gravidez. A capivara alimenta-se de capim, ervas e outros tipos de vegetação encontrados nas beiras de rios e lagos.
Um animal adulto pesa em média 80 kg, e alcança 1,20 metros. Elas vivem de 15 a 20 anos e, como boa roedora, possui dentes incisivos que podem chegar a 7 centímetros.
De roedores estranhos o Brasil entende, como confirmam esses outros “ratos gigantes”, a paca e a cotia.

8 – ANTA
A família Tapiridae é um grupo de mamíferos da ordem Perissodactyla que habita a América Central, a América do Sul e o sul da Ásia, conhecidos popularmente como “anta”. São os maiores mamíferos da América do Sul, e pertencem a mesma ordem dos cavalos, embora possuam um parentesco mais próximo aos rinocerontes.
A anta chega a pesar trezentos quilogramas. Tem três dedos nos pés traseiros e um adicional, bem menor, nos dianteiros. Tem uma tromba flexível, que sente cheiros e umidade. Vive perto de florestas úmidas e rios, e toma frequentemente banhos de água e lama para se livrar de carrapatos, moscas e outros parasitas.
As antas comem folhas, frutos, brotos, ramos, plantas aquáticas, grama e pasto. Também podem se alimentar em plantações de cana-de-açúcar, arroz, milho, cacau e melão. Para manter seus 300 quilinhos, passa quase dez horas por dia forrageando em busca de alimento.
Esses animais têm hábitos noturnos e solitários. De dia, escondem-se na mata, e só se reúnem durante o acasalamento e a amamentação. A fêmea tem geralmente apenas um filhote, e o casal se separa logo após o acasalamento.
Quando ameaçadas, as antas mergulham na água ou se escondem na mata. Ao galopar, derrubam pequenas árvores, fazendo muito barulho.
Se alguém souber por que os seres humanos usam a palavra “anta” com sentido pejorativo, favor me avisar. Aparentemente, esses animais não são nada bobos, e se domesticados, podem aprender muitas coisas, como girar uma maçaneta para abrir uma porta ou beber água numa garrafa de refrigerante.

7 – TAMANDUÁ
O tamanduá-bandeira, também conhecido como papa-formigas, é um mamífero quadrúpede desdentado. Com aspecto bizarro, solitário, pacífico e cauteloso, ele pode ser encontrado na América Central e do Sul.
O animal tem uma pelagem espessa que se torna maior na cauda. Seu focinho tem formato cilíndrico. Sua visão é fraca, mas sua capacidade de olfato é aguçada (cerca de 40 vezes maior que a do homem). É assim que ele procura formigueiros ou cupinzeiros para se alimentar.
O peso de um adulto desta espécie chega a 40 kg, seu comprimento pode chegar até 2 metros (incluindo a cauda) e sua altura pode chegar a 60 centímetros. Eles têm uma coloração acinzentada, com faixas diagonais pretas com as bordas brancas.
O tamanduá tem fortes longas garras dianteiras com as quais escava os formigueiros e cupinzeiros onde, em seguida, introduz sua língua, pegajosa e longa (aproximadamente 60 centímetros!), para explorar o local e levar os insetos à boca.
O tamanduá-bandeira é capaz de ingerir até 30.000 insetos por dia.
Suas garras também são utilizadas para se defender dos predadores: ele abraça seu inimigo para cravar-lhe as longas garras. Daí que surgiu a expressão popular “abraço de tamanduá”.
O tamanduá-bandeira está ameaçado de extinção devido à destruição de seu habitat. Os fatores que têm contribuído para isso são caça indiscriminada, queimadas (seu pelo é extremamente inflamável) e o avanço da agropecuária no cerrado (ecossistema que, por ser bem aberto, não possui lugares onde o tamanduá-bandeira possa se esconder).

6 – UACARI
O Uacari (Cacajao calvus) é uma espécie raríssima que vive nas florestas ao norte da Amazônia. Esse animal estranho encontrado no Brasil e no Peru está listado como uma espécie em extinção; ele é especialmente vulnerável devido à perda de seu habitat, e por ser caçado para a alimentação.
Os uacaris pesam cerca de 2 a 3 kg e possuem 35 a 60 centímetros de comprimento. Sua cauda possui cerca de 15 centímetros de comprimento. Apesar de terem a cara vermelha, a cor da sua pele pode variar entre quase branco a um castanho avermelhado muito escuro.
A razão para sua face colorida pode ser pelos mesmos motivos que as aves são coloridas: para facilitar a detecção de semelhantes na floresta espessa e densa. Eles não vivem muito bem em cativeiro.
Os uacaris se alimentam de insetos, sementes, nozes, frutas, néctar e similares. Convivem em grupos de 10 e 40 indivíduos. Há relatos de grupos com mais de 100.
Essas criaturas ágeis balançam entre as árvores pendurando-se pela sua cauda e raramente descem ao chão. Eles são capazes de saltar 20 metros ou mais entre diferentes árvores.

5 – MATACO (TATU-BOLA)
O mataco é uma espécie de tatu-bola, animal brasileiro que não poderíamos deixar de falar, já que o mascote da Copa do Mundo de 2014 será o tatu-bola.
Esse apelido vem do método extremamente original de proteção desses animais: eles não correm, camuflam-se ou lutam, apenas se enrolam em uma bola “blindada” graças a sua “armadura” esquisita.
O mataco vive na Bolívia, na região central do Brasil, no Paraguai e na Argentina. Esta classe de tatu não cava sua própria tocas, mas sim aproveita tocas de tamanduá abandonadas. Eles gostam de áreas gramadas ou pantanosas perto de florestas.
Estes tatus castanho-escuros são as únicas espécies que podem se enrolar e proteger completamente seus corpos inteiros dentro de sua concha. A frente desconectada das porções traseiras do escudo é o que permite esta façanha.

As garras em suas patas da frente são extremamente poderosas, e o tatu caminha e corre na ponta destas garras. Eles caçam para se alimentar cavando ninhos subterrâneos e sob vegetação em decomposição. Larvas de besouro são o seu principal alimento, mas também comem formigas, cupins, outros insetos e frutas.
O mataco é considerado uma espécie em extinção. Mineração e desenvolvimento agrícola ameaçam sua existência, além do animal ser extremamente fácil de ser capturado ou caçado.

4 – BOTO
O boto, especialmente o boto cor de rosa, é um animal brasileiro cercado de muitas lendas. A mais famosa delas é que essa criatura do mar adora se transformar em um homem bonito que seduz as moças, ou uma mulher bonita que leva os homens jovens para a água. Aqueles que entram em suas garras são afogados e seus espíritos se tornam golfinhos. Os nativos da Amazônia acreditam que este animal é um presságio de má sorte.
Mas não se assuste se encontrar com um. Ele não vai hipnotizá-lo e levá-lo para o fundo do mar, mas provavelmente vai querer brincar. Botos são criaturas muito curiosas, que gostam de interagir com barqueiros e nadadores.
O boto é o maior de todos os golfinhos de rio. Pode pesar até 180 kg e mora nas porções profundas de rios perto de bancos de areia e outras formações naturais que causam piscinas de águas profundas.

O golfinho respira através de um bico localizado na parte superior de sua cabeça, e precisa sair da água uma a duas vezes por minuto para tanto. Sua incrível flexibilidade lhe permite nadar ao redor de árvores e através das florestas que inundam durante a estação chuvosa.
Construções hidrelétricas são a maior ameaça que o boto sofre em estado selvagem. Represas são a principal causa de mudança do fluxo dos rios, que, por sua vez, perturbam a configuração natural dos bancos de areia que os botos dependem para profundidade adequada de água. Também afetam os ciclos naturais de reprodução de peixes, que o boto depende para sua fonte de alimento. Embora esses elementos causem problemas para eles, os botos têm uma sobrevida maior do que muitos de seus primos.

3 – URSO-DE-ÓCULOS
Achou que não havia ursos no Brasil? Bom, se você ver um, vai ser o urso-de-óculos. Foram as manchas brancas que marcam seus olhos que lhe renderam esse apelido bizarro. Essa é a única espécie de urso que vive na América do Sul, mas não se preocupe; é raro ver uma dessas criaturas. Existem apenas 18.000 vivos atualmente.
O urso-de-óculos é mais frequentemente encontrado nas florestas profundas da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Brasil, mas também pode habitar florestas tropicais, estepes e desertos.

Eles podem ser de qualquer cor do preto ao castanho, ou avermelhados. O urso adulto tem cerca de 150 a 180 centímetros e pesa 100 a 155 kg. O macho é muitas vezes maior e mais pesado que a fêmea.
Esses ursos comem vegetação, pequenos animais, incluindo ratos, coelhos e aves, bulbos de orquídeas, folhas e frutas. As frutas são, de longe, sua comida favorita.
Diferentemente da maioria dos ursos, o urso-de-óculos é noturno. Ele come e passeia à noite. Quando o amanhecer chega, o animal sobe em uma árvore, se recolhendo ao seu “ninho” ou plataforma que ele construiu para dormir. Muitos ursos sobem em árvores, mas a maioria prefere dormir em cavernas e tocas.

2 – SAGUI PIGMEU
O sagui pigmeu (Callithrix pygmaea) é um macaco encontrado no oeste do Brasil, no Peru e no Equador Oriental e no sudeste da Colômbia. É o menor macaco do mundo, com um comprimento de corpo de 14 a 16 centímetros, excluindo a cauda.
Essa coisinha fofa alimenta-se de frutas, folhas, insetos e pequenos répteis.

1 – CANDIRU
Nenhuma lista sobre animais estranhos brasileiros está completa sem o candiru. Esse peixe amazônico fino, pequeno e quase transparente está entre os poucos vertebrados hematófagos, que se alimentam do sangue de outros peixes. Os candirus fazem isso se ancorando a eles com uma série de espinhos em forma de gancho. Uma infestação severa pode enfraquecer e, eventualmente, matar uma vítima infeliz. Eles também se alimentam de peixes mortos, comendo-os de dentro para fora.
Em alguns casos, eles podem nadar para dentro da uretra ou do ânus de homens e mulheres, e ficar preso lá por causa de seus espinhos. Isso é muito doloroso e potencialmente mortal, porque quando a vítima humana deixa a água, o peixe morre e seu corpo começa a apodrecer. A infecção resultante pode causar morte. Somente um delicado processo cirúrgico pode remover o peixe dos órgãos genitais. Moral da história: não faça xixi na Amazônia.
Conhece mais animais (ainda mais estranhos) brasileiros? Compartilhe![Webecoist,PurpleSlinky, UOL, BrazilianFauna, Ambientes, SuaPesquisa, IdealDicas, InfoEscola]

Fonte: http://hypescience.com/10-animais-estranhos-do-brasil/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29 – por Natasha Romanzoti

Estamos “devoluindo”? Humanos estão perdendo capacidade intelectual e emocional...

Estamos “devoluindo”? Humanos estão perdendo capacidade intelectual e emocional

Há quem pense que as novas gerações estão mais estúpidas do que nunca. Embora seja difícil dizer com certeza se estamos mesmo ficando menos inteligentes, uma nova teoria, bastante controversa, afirma que os humanos estão vagarosamente, mas definitivamente perdendo capacidades intelectuais e emocionais.
Dr. Gerald Crabtree, da Universidade Stanford (EUA), baseou sua teoria no fato de que a inteligência “superior” humana (em relação a outros animais) foi resultado de uma enorme pressão evolutiva. A inteligência e comportamento humanos exigem, portanto, o funcionamento ideal de um grande número de genes.

Essa complicada rede de genes que supostamente nos dá a grande vantagem em relação a outros seres vivos é suscetível de mutações que, sem a manutenção de uma enorme pressão evolutiva, tendem a nos “emburrecer”.

Crabtree acredita que o desenvolvimento de nossas capacidades intelectuais e a otimização de milhares de genes de inteligência provavelmente ocorreram em grupos dispersos de povos, antes de nossos ancestrais surgirem na África.

Nessa época, a inteligência era crítica para a sobrevivência, por isso uma imensa pressão agindo sobre os genes necessários para o desenvolvimento intelectual levou a um pico da inteligência humana.
A teoria de Crabtree é que, a partir desse ponto, a inteligência humana provavelmente começou a lentamente perder terreno.

Depois da agricultura e, consequentemente, da urbanização, passou a haver menos seleção natural para os “mais inteligentes”.

Com base em cálculos da frequência com que mutações prejudiciais aparecem no genoma humano e no pressuposto de que 2.000 a 5.000 genes são necessários para sustentar nossa alta capacidade intelectual, Crabtree estima que dentro de 3.000 anos (cerca de 120 gerações) todos nós teremos sofrido duas ou mais mutações prejudiciais para a nossa estabilidade intelectual ou emocional.

Crabtree argumenta que a combinação de uma menor pressão seletiva e um grande número de genes facilmente afetados por mutações está “corroendo” nossas capacidades intelectuais e emocionais.

Porém, ele também argumenta que essa perda de inteligência é muito lenta e, a julgar pelo ritmo acelerado de descoberta e avanço da nossa sociedade moderna, tecnologias futuras poderão apresentar soluções para o problema.

“Acho que chegaremos a compreender cada uma das milhões de mutações humanas que possam comprometer nossa função intelectual, e como cada uma delas interage com umas as outras e com demais processos, bem como suas influências ambientais”, diz. “Então, seremos capazes de corrigir qualquer mutação no nosso organismo, em qualquer estágio de desenvolvimento. O processo brutal da seleção natural será desnecessário”, opina.[MedicalXpress, NaturalNews, imagem]

Fonte: http://hypescience.com/humanos-estao-perdendo-capacidade-intelectual-e-emocional/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+%28HypeScience%29 - Natasha Romanzoti

10 suplementos alimentares para aumentar sua inteligência

10 suplementos alimentares para aumentar sua inteligência

Quem faz academia sabe como o uso de suplementos pode ajudar muito no ganho de massa muscular e na melhora de desempenho. Contudo, também sabe que eles não fazem milagre (um cara magro não vai se tornar um dublê de Arnold Schwarzenegger só porque começou a tomar creatina).
O mesmo vale para os suplementos destinados a fortalecer a inteligência: eles têm efeitos notáveis (se forem usados corretamente), mas não garantem que você vá ganhar o próximo Nobel de Física.

Aumento da capacidade de concentração, memória, processamento de informação visual e de atenção estão entre os vários benefícios que esses suplementos podem trazer.

ATENÇÃO: Antes de passarmos para a lista, porém, vale a pena fazer algumas ressalvas: em primeiro lugar, é importante que você consulte seu médico antes de usar qualquer um deles, para saber se está saudável o suficiente para usá-los e se não está sujeito a efeitos negativos (como reações alérgicas); a lista contém sugestões de doses, mas o ideal é seguir as doses recomendadas na bula do produto, se houver; com exceção dos itens 2 e 4, os estudos indicam efeitos para suplementos consumidos isoladamente, por isso não consuma dois ou mais sem orientação, pois um pode anular o efeito dos outros (ou, até mesmo, causar reações negativas); por fim, lembramos que cada organismo funciona em um ritmo próprio e, por isso, os suplementos podem demorar para surtir efeito (ou o contrário, dependendo do caso).

Dito isso, vamos à lista:

1 – CREATINA

Esse suplemento é popular entre os frequentadores de academia porque aumenta o poder muscular (já que ajuda a dar energia às células do corpo e auxilia no crescimento das fibras dos músculos), mas seus benefícios não se restringem ao físico: estudos mostram que a creatina pode fortalecer a memória e a atenção, pois ajuda a dar energia ao cérebro.

2 – CAFEÍNA + L-TEANINA

A cafeína sempre foi alvo de controvérsias, uma vez que seu consumo não apenas tem efeito estimulante (temporário, vale dizer), mas também pode causar ansiedade e aumento de pressão. Para driblar esse lado negativo e, ainda por cima, conseguir efeitos mais duradouros (como reforço da memória de trabalho, aumento do poder de processamento de informação visual e redução da tendência a se distrair), recomenda-se que ela seja consumida em conjunto com L-Teanina. Esse aminoácido é normalmente encontrado no chá-verde, mas em doses baixas (de 5 a 8 mg em uma xícara). Assim, cientistas sugerem o consumo de 50 mg de cafeína (uma xícara, em média) e 100 mg de L-Teanina (dose encontrada em suplementos).

3 – CHOCOLATE AMARGO (FLAVONOIDES)

É importante destacar que estamos nos referindo aos chocolates com alta concentração de cacau (em torno de 90%) e com pouco açúcar (este, inclusive, enfraquece os efeitos positivos que vamos listar), não aqueles que as pessoas costumam comprar. O cacau contém um tipo específico de flavonoide que estimula processos neurológicos relacionados a memória e aprendizado. Para ter esses benefícios, recomenda-se comer de 35 a 200 gramas por dia (não de uma vez, é claro).

4 – PIRACETAM E COLINA

O piracetam é normalmente prescrito para pacientes com doença de Alzheimer, depressão ou esquizofrenia, mas também é usado por outras pessoas para aumentar a ação do neurotransmissor aceticolina – e, assim, fortalecer a clareza mental, a memória espacial e outras funções cerebrais. Contudo, para se obter esses efeitos, é preciso ingerir piracetam em conjunto com colina, um nutriente essencial solúvel em água: 300 mg de cada, três vezes ao dia, é a dose recomendada por especialistas.

5 – ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3

Encontrados em nozes, óleo de peixe, sementes de linho e grãos de feijão, esses ácidos vêm sendo usados há tempos para combater o declínio de funções neurológicas relacionadas ao envelhecimento e a doenças como a de Alzheimer. Recentemente, um estudo mostrou que os efeitos obtidos também podem ocorrer em adultos saudáveis, além de melhorar o ânimo e aumentar a capacidade de foco. Recomenda-se o consumo de 1,2 g a 2,4 g por dia (uma ou duas cápsulas de óleo de peixe).

6 – BACOPA MONNIERI

Essa planta é normalmente encontrada no norte da Índia, e há séculos é usada com diversas finalidades (para o fortalecimento da memória e do aprendizado, como analgésico, antipirético, anti-inflamatório e sedativo). Uma dose saudável é a de 150 mg por dia.

7 – EXTRATO DE GINKGO BILOBA

Vindo da samambaia (planta considerada um “fóssil vivo”, já que não tem “parentes”), o extrato de Ginkgo Biloba é, do mesmo modo que a cafeína, um suplemento cercado de controvérsias: por um lado, ele é usado para fortalecer a memória e a concentração; por outro, há estudos que contestam sua eficácia e sua capacidade de reduzir os sintomas da doença de Alzheimer. Normalmente é usado em conjunto com a Bacopa Monnieri, mas a combinação também é vista com desconfiança por alguns pesquisadores.

8 – GINSENG ASIÁTICO

A lista de possíveis benefícios dessa planta não é das menores: reforço da memória de trabalho e da atenção, melhora do humor e redução da ansiedade e da fadiga. Recomenda-se em torno de duas doses diárias de 500 mg.

9 – RHODIOLA ROSEA

Além de fortalecer a cognição e a memória, a Rhodiola Rosea pode diminuir a fadiga e a ansiedade – efeitos que habitantes da Rússia e da Escandinávia vêm aproveitando há séculos. Você pode consumir entre 100 e 1.000 mg por dia, mas em duas doses iguais.

10 – SALVIA LAVANDULAEFOLIA

Comum na Espanha e no norte da França, a Salvia Lavandulaefolia é uma erva aromática que reforça os efeitos do neurotransmissor acetilcolina e, assim, melhora o humor e a memória de adultos saudáveis e de portadores da doença de Alzheimer, além de atuar como ansiolítico, antidepressivo e antioxidante. Recomenda-se o consumo de 300 mg de folhas secas por dia.[io9]

Fonte: http://hypescience.com/10-suplementos-alimentares-para-aumentar-sua-inteligencia/ - por Guilherme de Souza em

Fumar “apodrece” o cérebro

Fumar “apodrece” o cérebro

Segundo um novo estudo da King’s College London (Reino Unido), fumar “apodrece” o cérebro, danificando seus centros de aprendizagem, memória e raciocínio.
Os pesquisadores queriam investigar a ligação entre a probabilidade de um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral (derrame) e o estado do cérebro. Para tanto, a saúde de 8.800 pessoas com mais de 50 anos foi analisada.

Além de informações de estilo de vida, os participantes tiveram que fazer testes para o cérebro, como aprender quantas novas palavras ou nomes conseguissem em um minuto. Todos foram testados três vezes: no momento do estudo, quatro anos depois e oito anos depois.

Os resultados mostraram que o risco geral de um ataque cardíaco ou derrame estava significativamente associado com o declínio cognitivo. As pessoas que apresentaram maior risco tinham o maior declínio em capacidade mental.

Houve uma “associação coerente” entre o fumo e a menor pontuação nos testes. Além do tabaco, pressão arterial elevada e/ou estar acima do peso também pareceu afetar o cérebro, mas em menor grau.
Segundo os pesquisadores, as pessoas precisam estar cientes de que seus estilos de vida podem danificar não só seu corpo, mas também sua mente.

“O declínio cognitivo se torna mais comum com o envelhecimento e pode interferir com o funcionamento diário e bem-estar de muitas pessoas. Identificamos certo número de fatores de risco que podem ser associados com o declínio cognitivo acelerado, e todos podem ser modificáveis”, explica o Dr. Alex Dregan, um dos autores do estudo.

Isso significa que as pessoas podem fazer mudanças em seu estilo de vida para diminuir seu risco de declínio cognitivo, levando uma vida melhor por mais tempo. Muitas pesquisas indicam repetidamente que fumo e pressão arterial elevada aumentam o risco de declínio cognitivo e demência, e esse estudo é mais uma evidência para alertar as pessoas.

“Nós todos sabemos que o tabagismo, pressão arterial alta, colesterol elevado e um alto IMC [índice de massa corporal] são ruins para o nosso coração. Esta pesquisa contribui para a enorme quantidade de evidências que sugere que também podem ser ruins para a nossa cabeça”, informa a Sociedade Britânica de Alzheimer.

Entre as recomendações dos especialistas para manter uma boa saúde mental estão: comer uma dieta equilibrada, manter um peso saudável, fazer exercícios regularmente, checar sua pressão arterial e colesterol e não fumar.[BBC, Examiner, Foto]

Fonte: http://hypescience.com/fumar-apodrece-o-cerebro/ - por Natasha Romanzoti

Quer ser mais criativo? Aperte uma bolinha com sua mão esquerda...

Quer ser mais criativo? Aperte uma bolinha com sua mão esquerda

O hemisfério direito do cérebro humano, acredita-se, está mais envolvido com a criatividade, e o esquerdo, com o pensamento racional. Nos mamíferos, curiosamente, o lado esquerdo do corpo é comandado pelo hemisfério direito do cérebro, e vice-versa.
Levando em conta essas duas ideias, cientistas do Centro de Pesquisa do Cérebro da Universidade de Bar-Ilan (Israel) analisaram um método para aumentar a criatividade e ajudar pacientes com problemas neurológicos específicos.

“Nós exploramos a possibilidade de elevar artificialmente a capacidade criativa de resolução de problemas ativando o hemisfério direito por meio de contrações unilaterais da mão”, explicam os autores, em artigo publicado no periódico Psychonomic Bulletin & Review.

Para testar a ideia, eles dividiram os 40 participantes (todos destros, sendo 24 mulheres e 16 homens) em três grupos: no primeiro, eles apertavam uma bolinha de borracha durante 4 minutos com a mão esquerda; no segundo, faziam o mesmo, porém com a mão direita; no terceiro, apenas aguardavam.

Feito isso, eles passavam por um teste de associação remota (em que precisam encontrar uma palavra capaz de associar a três outras), usado para avaliar a capacidade de pensamento criativo. Os participantes que estimularam o lado direito do cérebro (contraindo a bolinha com a mão esquerda) tiveram um desempenho melhor que o dos outros.

“Independentemente do mecanismo específico, essa técnica tem o potencial de atuar de modo terapêutico e pode ter aplicações variadas para ajudar pessoas com problemas de linguagem ou outras condições possivelmente associadas com desequilíbrio entre os hemisférios [do cérebro]“, concluem os autores.[Science 2.0]

Fonte: http://hypescience.com/quer-ser-mais-criativo-aperte-uma-bolinha-com-sua-mao-esquerda/ - por Guilherme de Souza

Elimine o inchaço com oito mudanças na alimentação...

Elimine o inchaço com oito mudanças na alimentação

Evitar o sal e comer proteínas ajuda a acabar com o desconforto
O inchaço pode ter muitas causas e ser inclusive sintoma de muitas doenças. Mas uma das principais razões para o incômodo é manter uma rotina de maus hábitos alimentares. A causa mais comum do inchaço é a retenção de líquidos, provocada pelo acúmulo excessivo de água no organismo, o que leva ao inchaço principalmente na barriga, pés, mãos, coxas, tornozelos e mamas. "Outras causas de inchaço são a flatulência, gerada pelo acúmulo de gases no corpo, e a prisão de ventre, que pode formar aquela barriguinha indesejada", diz a nutricionista Noadia Lobão, do Rio de Janeiro. Mas com os ajustes certos no cardápio é possível eliminar o desconforto. Veja logo abaixo quais sãos mudanças simples na alimentação para eliminar o inchaço.

Evite bebidas gaseificadas
Refrigerantes e outras bebidas gaseificadas devem ser evitadas por quem sofre de inchaço. "Esse gases dilatam o estômago, causando desconforto e a sensação de que estamos cheios", diz a nutricionista Roseli Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional, em São Paulo. Ela ressalva que esses gases proporcionam um inchaço temporário, que apenas agravam os sintomas que já sofrem com o problema. "No entanto, os refrigerantes são ricos em sódio, outro vilão da barriga inchada", diz. Para evitar esses efeitos, prefira sucos e água sem gás.

Fuja dos alimentos produtores de gás
Certos alimentos são mais difíceis para o nosso corpo quebrar e digerir, havendo a necessidade de o intestino fermentá-los para facilitar sua absorção. "Essa fermentação tem como resultado a produção de gases, que podem levar ao inchaço", diz a nutricionista funcional Camila Borduqui, da clínica Dr. Alan Landecker. Brócolis, repolho, couve-flor, couve-manteiga, couve de bruxelas, batata doce, ovo, feijão e leguminosas no geral, cebola, leite e alimentos ricos em açúcar são os maiores causadores de flatulência.

Apesar de favorecerem o inchaço, esses alimentos não devem ser eliminados da alimentação, pois são ricos em nutrientes e contribuem para uma dieta saudável. 'No entanto, pessoas que sofrem com flatulências devem moderar o consumo desses alimentos, visando melhorar a sensação de inchaço."

Reduza o sódio do cardápio
"Alimentos com muito sódio seguram a água no corpo, promovendo a retenção de líquido e causando a sensação de inchaço", explica a nutricionista Noadia Lobão. Dessa forma, o recomendado é não acrescentar sal a refeições prontas e evitar a ingestão de alimentos industrializados (biscoitos, sopas, macarrão instantâneo), embutidos e conservas.

Equilibre fibras e líquidos
"Uma dieta rica em fibras vai contribuir para o inchaço quando a ingestão de líquido não for adequada", diz a nutricionista Camila. Isso porque o excesso de fibras irá se concentrar no intestino e levar à prisão de ventre, outro agente causador de inchaços. Quando o consumo de fibras e líquidos está equilibrado, o efeito é inclusive contrário, favorecendo o trânsito intestinal e eliminando os inchaços. A quantidade mínima de fibras recomendada é de 30g por dia, combinada com a ingestão de dois litros de água em média. As fibras são encontradas em cereais, farelos, alimentos integrais, frutas e verduras.

Não exagere nas refeições
Além de nos deixar com aquela sensação de "estômago cheio", o que já é desconfortável, exagerar nas refeições pode contribuir para o inchaço porque sobrecarregam o trato gastrointestinal, dificultando a digestão. "Grandes refeições também podem distender nosso estômago, causando um efeito parecido com o de ingerir bebidas gaseificadas", diz a nutricionista Noadia.

Mastigue bem os alimentos
De acordo com Camila Borduqui, comer depressa faz com que você não mastigue direito os alimentos, atrapalhando a digestão. "Isso fará com que o bolo fecal chegue ao intestino sem estar adequadamente digerido, prendendo o intestino e causando o inchaço."

Incorpore proteínas magras à dieta
Proteínas com menor teor de gordura, como ovos, queijos magros, carne branca (aves e peixes) e soja podem agir como um diurético natural, ajudando o corpo a eliminar o excesso de água. "A água vai para onde ela é mais necessária, ou seja, onde tem menos, que é o caso das proteínas", diz a nutricionista Roseli. "Para serem digeridas, as proteínas geram subprodutos tóxicos ao organismo, como creatinina e ureia, que precisam ser eliminados pela urina, outro fator que pode ajudar a aliviar a retenção de líquidos", diz a nutricionista Noadia. "No entanto, é importante uma alimentação equilibrada e sem exageros, já que excesso de proteínas levará a superprodução desses componentes, que podem intoxicar o organismo", alerta.

Beba mais chá
As nutricionistas explicam que os chás ricos em cafeína fazem com que a pessoa sinta vontade de urinar com mais frequência, ajudando a eliminar o excesso de líquido e toxinas, reduzindo o inchaço e limpando o organismo. Os chás mais recomendados para essa finalidade são chá branco, chá verde, cavalinha, cabelo de milho, alfafa, hibisco, quebra-pedra e dente-de-leão.

Fonte: http://www.minhavida.com.br/alimentacao/galerias/15408-elimine-o-inchaco-com-oito-mudancas-na-alimentacao?utm_source=news_mv&utm_medium=alimentacao&utm_campaign=4200868 - POR CAROLINA GONÇALVES

Tomar energético pode ser perigoso, especialmente para crianças e jovens...

Tomar energético pode ser perigoso, especialmente para crianças e jovens

Um novo estudo da Universidade de Toronto (Canadá) indica que os energéticos estão cada vez mais cheios de cafeína, e que o consumo exagerado dessa bebida, especialmente por crianças e jovens, pode ser muito perigoso e levar a doenças cardíacas no futuro.
Ahmed El-Sohemy, nutricionista e especialista em cafeína da Universidade, descobriu que as pessoas possuem um “gene do café” em 2006. Usando uma combinação de avaliação dietética e análise genética, sua equipe concluiu que a metade da população do estudo pertencia ao grupo de “metabolizadores lentos” de cafeína – o que significa que a substância quebra mais lentamente nos corpos destas pessoas, ficando por lá mais tempo – enquanto a outra metade pertencia a um grupo de “metabolizadores rápidos”. Os metabolizadores lentos tinham mais risco de ataque cardíaco com base no consumo de cafeína, enquanto a outra metade não.

Segundo El-Sohemy, nós herdamos nossos genes de nossos pais. Isto significa que alguns adolescentes terão o gene “lento”, e outros o “rápido”. Mas isto não significa que os adolescentes “metabolizadores rápidos” estão seguros.

Esse “gene do café” controla o nível de uma enzima que decompõe a cafeína e este nível é sempre inferior entre as crianças. Isto significa que todas as crianças são metabolizadoras lentas. Mesmo que forem se tornar metabolizadoras rápidas quando adultas, ainda crianças terão capacidade diminuída de eliminar a cafeína de seu sistema.

Enquanto isso, notícias mostram que, desde 2003, três adolescentes canadenses morreram por causa do consumo de bebidas energéticas, e outros 35 sofreram efeitos colaterais sérios, como amnésia e batimento cardíaco irregular.
“Cheio de açúcar e cafeína, bebidas energéticas estão cada vez mais sendo comercializadas por crianças”, explica El-Sohemy.

O especialista diz que os fabricantes destas bebidas energéticas aumentam cada vez o nível de cafeína nos seus produtos, sendo que algumas possuem até 500 miligramas por lata, em comparação com 34 miligramas em um refrigerante e 80 a 100 miligramas em uma xícara de café.
“Nós não sabemos as consequências a longo prazo dessa cafeína para a saúde da nossa juventude”, adverte El-Sohemy.

O problema é agravado pelo fato de que os efeitos negativos da cafeína geralmente não são imediatos. “Jovens de 18 anos normalmente não sofrem ataques cardíacos”, diz. “Mas se bebem muito energético, o que vai acontecer quando tiverem 40 anos?”, questiona.

Ele especula que essas pessoas terão problemas cardiovasculares no futuro e não devem “pagar para ver”. “Nós deveríamos estar preocupados agora. Nós já temos evidências de que altas quantidades de cafeína podem ser prejudiciais para as crianças”, afirma El-Sohemy.

Como é muito difícil proibir o consumo de bebidas energéticas, normalmente baseadas em substâncias naturais (apesar de que alguns países já as baniram ou proibiram sua venda para menores), El-Sohemy diz que os pais é que devem ficar de olho em seus filhos e evitar que as consumam.

Aconselhamento nutricional pode ser complicado, porque muitas coisas, como o café, podem ser ruins para algumas condições e alguns indivíduos, mas boas para outros (se consumidas com moderação).

Porém, os níveis elevados e altas concentrações de cafeína nesses produtos em particular, que também tendem a ter muito açúcar, não têm absolutamente nenhum benefício à saúde. Então, o jeito é não tomar mesmo.

“Converse com seus filhos sobre os malefícios do consumo de bebidas energéticas. Deixe-os saber que não é bom para eles, a longo prazo, mesmo que faça-os se sentir bem agora”, finaliza.[MedicalXpress]

Fonte: http://hypescience.com/tomar-energetico-pode-ser-perigoso-especialmente-para-criancas-e-jovens/ - Natasha Romanzoti

Mitos e verdades que os treinadores contam...

Mitos e verdades que os treinadores contam

Seu personal é a pessoa ideal para ajudá-la a conquistar seus objetivos na academia, mas algumas de suas dicas podem até prejudicá-la. Confira!
Se seu personal trainer é também seu guru, tome cuidado! A menos que ele tenha formação em alguma área específica de saúde ou nutrição, vale desconfiar de algumas dicas que ele insiste em compartilhar com a galera. Reunimos algumas das bobagens mais comuns que rolam nas academias para que você nunca, jamais, corra o risco de acreditar nelas. Confira!

Mitos

“Se doer no dia seguinte é sinal de que o treino deu resultado.”
MITO - Nem sempre sentirdor após a malhação significa que o esforço surtiu efeito — em alguns casos ela indica até uma lesão. Da mesma forma, sua ausência não sugere umtreino malfeito. “Geralmente, a intensidade é o que regula o aparecimento ou não do incômodo”, adverte Anderson Medina, gerente técnico da Companhia Athletica (SP).

“Se você quer secar, o melhor é passar longe de carboidratos antes da malhação.”
MITO - Para que não falte energia na hora H, faça justamente o contrário, principalmente se a atividade for durar mais de 60 minutos. “Esses alimentos são absorvidos rapidamente pelo organismo e dão força extra para quem vai se exercitar”, explica Luisa Mascarenhas, nutricionista da Food Coach Consultoria Nutricional (SP).

“Transpiração e alta frequência cardíaca são sinais de um bom treino cárdio.”
MITO - Alteração cardíaca bruta não é sinônimo de efetividade. “Aliás, o raciocínio deve ser o contrário. Quando a aluna está sedentária, a frequência cardíaca sobe rapidamente e demora a baixar. Quando essa ordem se altera, aí sim, é sinal de que o treino está funcionando”, garante Alessandra Dianin, personal trainer da Academia Bio Ritmo (SP). É preciso respeitar os limites do corpo para que ele possa se recuperar. O ideal é praticar corrida, que exige bastante da respiração, e aumentar a intensidade aos poucos. “Nossa capacidade aeróbica melhora à medida que o esforço progride”, explica Marcio Kalil, cardiologista (MG).

“Pra fazer a gordurinha sumir tem de se jogar no abdominal.”
MITO - Seu personal quer, com isso, ajudá-la a malhar a musculatura — que pode, sim, ficar trincada se você perder peso. E é aí que está o detalhe: essa técnica, sozinha, não é capaz de eliminar os tão indesejados pneuzinhos. “Abdominais não causam uma mudança significativa no percentual de gordura localizada, apenas fortalecem os músculos do abdome”, conta Luiz Antonio Domingues Filho, educador físico (SP). Para eliminar de vez a gordura extra é preciso alimentar-se de maneira correta e ainda fazer exercícios aeróbicos, como corrida ou natação.

“Quanto mais flexível você for, melhor o resultado do treinamento.”
MITO - A flexibilidade é um pré-requisito básico para a execução tecnicamente correta dos movimentos. Porém, o efeito final dependerá de outros fatores associados. “Existem características motoras que são mais importantes para garantir a eficiência, como a resistência, a força e a velocidade”, afirma Luiz Antonio Domingues. A flexibilidade, no entanto, ajuda a evitar dores lombares e outros desconfortos.

“O calor e os exercícios vigorosos expulsam as toxinas por meio do suor.”
MITO - A função principal da transpiração é regular a temperatura corporal. Nessas horas, perde-se apenas água e sais minerais, principalmente sódio e potássio. “Apesar de ser um mito muito comum, o suor liberado durante a prática de atividades físicas não ajuda a desintoxicar o organismo”, garante Filippo Pedrinola, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM/SP). E não se fala mais nisso!

“Treinar agasalhada faz você suar muito e perder peso mais rápido.”
MITO - Nessas condições, o organismo tende a produzir mais suor mesmo. Por outro lado, você estará perdendo apenas água, e não gordura ou calorias. E pior. Nessa brincadeira, é provável que você acabe com uma bela desidratação, o que, no mínimo, vai levar a uma queda significativa do rendimento. “A pessoa perde peso, mas em forma de água. Três copos já são suficientes para repor todo o líquido que foi eliminado”, pondera Anderson Medina.

“Para não perder massa muscular, treine a cada 48 horas.”
MITO - A manutenção dos músculos depende da intensidade das séries. Se você pega firme na malhação, estabeleça um intervalo maior que dois dias entre cada ida à academia. No entanto, a maioria das pessoas pratica atividades leves e, por isso, precisa suar a camisa com mais frequência. O truque para expandir a massa é intercalar o trabalho dos grupos musculares. “O repouso permite que a síntese de proteína incremente o músculo”, afirma Alessandra Dianin. O organismo precisa de um tempo para se recuperar depois de ser exposto a um agente estressor.

Verdades

“Nunca coma alimentos ricos em fibras e gorduras antes de ir à academia.”
VERDADE - Eles pesam no estômago e causam aquele desconforto momentâneo. “São digeridos de maneira lenta, e não fornecem a energia necessária para a prática de exercícios. Aí o rendimento pode cair”, diz Roseli Rossi, nutricionista da Equilíbrio Nutricional (SP). Ela afirma que o certo é se alimentar uma hora antes do treino. Aposte em sucos de frutas, pão integral com queijo magro, iogurte desnatado, barras de cereal ou até uma vitamina feita com leite de soja. “O leite de vaca é rico em proteínas e demora mais para ser processado”, alerta a nutricionista. As únicas gorduras bem-vindas são as insaturadas, presentes no azeite extravirgem e nos óleos de linhaça, coco e abacate. “Em pequenas quantidades, evitam que o aumento de cortisol no corpo, algo que acontece naturalmente durante a atividade física, prejudique a queima de gordura”, explica Fernanda Granja, nutricionista funcional (SP).

“Depois do treino, aposte na proteína.”
VERDADE - As fontes desse macronutriente — leite e seus derivados, carnes e ovos — recuperam, regeneram e reconstroem os músculos. Porém, para que esses alimentos cumpram essa nobre função, é fundamental que sejam associados a uma porção de carboidratos (vinda das massas, preferencialmente).

“É natural sentir dores musculares logo após o treino.”
VERDADE - Dependendo da intensidade é normal sentir desconforto na região trabalhada. “A sensação é provocada pelo acúmulo de ácido lático no corpo”, explica Luiz Antonio Domingues. Essa substância é a responsável pela fadiga e pela queimação — esses níveis são normalizados de duas a quatro horas após a malhação. Sentir um incômodo por até 72 horas não é sinal de problema. Agora, se depois desse período a dor persistir, fique atenta e procure um médico. “Nesse caso, é essencial investigar se não ocorreu alguma lesão mais séria”, indica Jomar Souza, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE/SP).

“Séries e repetições sempre iguais não trazem os melhores resultados.”
VERDADE - Depois de um tempo na rotina você vai deixar de notar os mesmos efeitos que obtinha no começo em relação à musculatura e à parte cardiorrespiratória. Então, estimule o corpo de formas diferentes, com novos pesos, velocidades e séries. Mas ninguém precisa ser profissional. “O esforço excessivo não é bom, já que a atleta frequentemente se machuca. Trinta minutos por dia já promovem a saúde”, afirma Miguel Akkari, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (SP).

Fonte: http://corpoacorpo.uol.com.br/fitness/treino-na-academia/mitos-e-verdades-que-os-treinadores-contam/3019 - Reportagem: Rita Trevisan e Louise Vernier/ Foto: Danilo Borges

De onde viemos: a fabulosa árvore genealógica humana...

De onde viemos: a fabulosa árvore genealógica humana

Os seres humanos (Homo sapiens) anatomicamente modernos originaram-se na África há cerca de 200 mil anos, atingindo seu comportamento moderno conhecido há apenas cerca de 50 mil anos. A evolução foi longa para chegarmos até aqui.

É como um quebra-cabeça que vai sendo montado lentamente enquanto são achados fósseis de nossos antepassados. No gráfico abaixo, você confere as peças dessa árvore genealógica humana que abrange nossa evolução desde 5 milhões de anos atrás até o presente.

Para entender o gráfico:

• Cada barra colorida representa o intervalo de tempo que se acredita que cada espécie viveu, com base nos fósseis encontrados até agora. As barras pontilhadas indicam os descendentes. Pesquisadores diferentes fazem essas ligações de maneiras distintas, preservando a mesma sequência cronológica.
• Sob o nome de cada espécie, você encontra as áreas em que a maioria dos fósseis foi encontrada.
• Os números em branco dentro das barras coloridas indicam aproximadamente quantos fósseis de indivíduos distintos de cada espécie foram encontrados.
• Como você pode observar, algumas regiões estão vagas, com pouquíssimos indivíduos conhecidos – muitos deles representados apenas por um dente ou fragmento de osso. As conexões evolutivas entre os australopitecos e o Homo erectus, incluindo as relações evolutivas entre as espécies de hominídeos Homo habilis, ergaster e erectus, ainda precisam de muitos esclarecimentos.
• Quatro espécies humanas propostas pela literatura científica - H. floresiensis, H. pekinensis, H. georgicus e H. rhodesiensis – foram omitidos da árvore genealógica.
Hominídeos

Segundo a taxonomia atual (com base na genética, em vez de características comportamentais), o termo “hominídeo” refere-se aos membros da família Hominidae: pertencem a ela seres humanos atuais, todos os seres humanos ancestrais, os pertencentes ao gênero australopitecos e nossos parentes primatas mais próximos, nomeadamente o chimpanzé o gorila.

Evidências fósseis

Fósseis de hominídeos são preciosos – não importa o tamanho ou condições. Esqueletos completos são raros em nossos tempos. Dentes, ossos faciais e cranianos são os restos de fósseis mais comuns que sobrevivem ao longo dos séculos. Crânios quase nunca são encontrados intactos, e normalmente são reconstruídos a partir de fragmentos.

Quando cientistas chegam a conclusões específicas sobre comportamento de nossos antepassados, eles precisam de partes específicas do esqueleto. Por exemplo, a postura agachada ou em pé pode ser interferida a partir da conexão da coluna vertebral com o crânio, enquanto o bipedismo exige análise de ossos da coxa, joelho ou articulações do pé. Já os crânios são usados para investigar a evolução do cérebro dos hominídeos. [Handprint]

Fonte: http://hypescience.com/de-onde-viemos-veja-a-arvore-genealogica-humana/ - Stephanie D’Ornelas

AIDS: quatro em cada dez jovens dispensam uso de camisinha...

AIDS: quatro em cada dez jovens dispensam uso de camisinha

Insegurança
Quatro em cada dez jovens brasileiros acham que não precisam usar camisinha em um relacionamento estável.

Além disso, três em cada dez ficariam desconfiados da fidelidade do parceiro caso ele propusesse sexo seguro.

A informação é da pesquisa "Juventude, Comportamento e DST/AIDS", realizada pela Caixa Seguros com o acompanhamento do Ministério da Saúde e da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

O estudo ouviu 1.208 jovens com idades entre 18 e 29 anos em 15 estados. As mulheres correspondem a 55% da amostra e os homens, a 45%.

Desinformação

Ao todo, 91% dos jovens entrevistados já tiveram relação sexual:
• 40% deles não considera o uso de camisinha um método eficaz na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST) ou gravidez;
• 36% não usaram preservativo na última vez que tiveram relações sexuais;
• apenas 9,4% foram a um centro de saúde nos últimos 12 meses para obter informações ou tratamento para DST.

Os dados mostram que falta aos jovens brasileiros o conhecimento de algumas informações básicas, já que um em cada cinco acredita ser possível contrair o HIV utilizando os mesmos talheres ou copos de outras pessoas e 15% pensam que enfermidades como malária, dengue, hanseníase ou tuberculose são tipos de DST.

Recomendações

"Notamos que os jovens menos vulneráveis são aqueles que conversam com os pais sobre sexualidade e que têm maior escolaridade. Mas pouquíssimos conversam com os pais sobre isso e a maioria não está estudando, repetiu alguns anos na escola. Embora eles não percebam, essa vulnerabilidade em relação à AIDS existe e é latente", disse Miguel Fontes, coordenador da pesquisa.

As recomendações feitas pelo estudo incluem:

• maiores investimentos em conteúdos de qualidade sobre sexo e AIDS na internet;
• programas sociais que tenham a juventude como público-alvo e que envolvam a família dos participantes;
• estreitar laços com professores que trabalham com jovens, a fim de proporcionar algum tipo de formação ou capacitação para tratar temas relacionados a DST e AIDS;
e
• massificar a informação de que existe uma relação direta entre o consumo de álcool e o aumento da vulnerabilidade dos jovens em relação ao sexo seguro.


Com informações da Agência Brasil

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=aids-quatro-cada-dez-jovens-dispensam-uso-camisinha&id=8387&nl=nlds

Entenda a enxaqueca e veja dicas para controlar a dor...

Entenda a enxaqueca e veja dicas para controlar a dor

Será que é só uma dor de cabeça? Entenda os sintomas da enxaqueca e descubra se você é vítima deste mal
Só quem sofre com a enxaqueca sabe o quão desagradável é ter de conviver com as fortíssimas dores de cabeça que tanto incomodam e comprometem o dia a dia. Em conversa com o Dr. Alexandre Walter de Campos, neurocirurgião especialista em terapia da dor do Hospital São Camilo (SP), o expert classifica a enxaqueca como uma cefaleia primária, sendo esta o segundo tipo mais frequente de dor de cabeça no mundo.

“A doença obedece alguns critérios, como dores lateralizadas (mais de um lado da cabeça que do outro),sensação de pulsar ou latejamento na cabeça com intensidade que varia de moderada a forte, podendo piorar com a prática de atividades físicas, em ambientes de muita claridade ou com muito barulho. Geralmente também se associa a outros sintomas como náuseas e vômitos”, define o neurocirurgião.

Segundo o Dr. Alexandre, a enxaqueca está relacionada a uma disfunção cerebral e a uma alteração na dinâmica do fluxo sanguíneo do cérebro. “É a interação entre uma variação momentânea da circulação sanguínea cerebral e uma liberação não habitual de neurotransmissores que levam aos sintomas dolorosos da enxaqueca”, explica.

Também ressalta que suas origens ainda são desconhecidas: “Apesar do estudo das cefaleias ter sido iniciado por volta de 1930, ainda não compreendemos toda a enorme rede de alterações que ocorre com as moléculas (neurotransmissores) que atuam na conexão entre as células cerebrais, bem como as influências que estas têm sobre o controle de fluxo sanguíneo que chega ao cérebro”.

A enxaqueca pode se apresentar de maneira crônica ou episódica (em crises), sendo que a identificação desses padrões leva a uma abordagem terapêutica diferente. O Dr. Alexandre explica: “Enxaqueca crônica é uma condição em que os sintomas clínicos específicos ocorrem mais de 15 dias por mês por pelo menos três meses consecutivos; já a enxaqueca episódica apresenta os sintomas característicos, porém ocorrem de maneira esporádica”.

Além do aspecto eventualmente pulsátil, característica lateralizada com náuseas e intolerância à luminosidade e barulho – sintomas típicos da enxaqueca – esta pode durar de 4 a 72 horas (quando não medicada). “É um quadro bem diferente da dor de cabeça tipo tensional (tensão muscular), pois esta é bilateral, mais fraca, constante, sem náuseas e sem intolerância sensitiva. Na dúvida, é importante que busque orientação de um neurologista”, esclarece o neurologista Dr. Leandro Teles (SP). O especialista ainda lembra que, para diagnosticar a enxaqueca é preciso de, pelo menos, cinco crises estereotipadas.

Não há cura para os sintomas da enxaqueca, mas sim formas de controlar as crises. Para tal, os especialistas utilizam medidas farmacológicas (remédios) e não farmacológicas (como mudança do estilo de vida do paciente e evitar desencadeantes): “Com relação aos medicamentos, temos dois tipos distintos de conduta complementar: medicamentos para cortar a crise (uma vez que esta já começou) e medicamentos que previnem as dores, chamados de profiláticos. Os medicamentos profiláticos são muito importantes para os pacientes que apresentam mais de duas ou três crises fortes por mês. Do ponto de vista não medicamentoso, é fundamental adotar hábitos saudáveis que ajudem a controlar os sintomas da doença, como dormir adequadamente, evitar estresse e alimentos que se associem fortemente a dor em determinada pessoa e praticar exercícios físicos regularmente”.

Cuidados básicos para quem sofre com a enxaqueca:

1- Busque atendimento médico especializado, evite automedicação;
2- Preencha um “diário de dor” para mapear o tipo de dor, sua frequência e seus desencadeantes;
3- Discuta com seu médico de confiança a indicação ou não de medicamentos preventivos(aqueles que são tomados todos os dias);
4- Estabeleça a relação entre sua dor com alimentos e evite-os somente em caso de associação evidente. Os mais comuns causadores de enxaqueca são o chocolate ao leite, álcool (principalmente vinho tinto), queijos amarelos (que contém tiramina) e embutidos (ricos em nitritos);
5- Evite privação de sono, estresse e pratique atividades aeróbicas regularmente.

Quando a dor se manifesta:

1- Busque lugares silenciosos e pouco iluminados, tente cochilar um pouco;
2- Utilize compressas frias na testa e na região dos olhos, o frio ameniza a dor por reduzir o calibre dos vasos e ter poder analgésico direto;
3- Utilize medicamentos apenas sob orientação médica e procure tomá-lo logo no início da dor, para evitar que o quadro piore e necessite de mais medicação;
4- Procure se alimentar em pequena quantidade e prefira alimentos leves e de fácil digestão. O consumo de chá de gengibre pode ter alguma ação anti-inflamatória;
5- No caso de impossibilidade de ingerir o remédio ou manutenção da dor muito intensa,comunique seu médico ou procure um pronto atendimento para obter alívio.

Fonte: http://corpoacorpo.uol.com.br/blogs/mulher-de-corpo/entenda-a-enxaqueca-e-veja-dicas-para-controlar-a-dor/3017 - Reportagem: Monique Zagari Garcia - Foto: Danilo Borges